quarta-feira, 30 de maio de 2012

Atividades de Geografia do 6º ano

Biomas brasileiros: Parte 1 - mapeamento Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Paisagens brasileiras Objetivos Identificar as características dos biomas brasileiros e avaliar a importância da preservação de sua biodiversidade. Estabelecer relações entre as coberturas vegetais, fauna, clima, relevo, solos e recursos hídricos em biomas e ecossistemas situados no território brasileiro. Ler e interpretar informações em diferentes representações cartográficas. Conteúdos Biomas brasileiros: caracterização, distribuição, usos, riscos e ameaças Domínios morfoclimáticos brasileiros Seres vivos e meio físico: interações ecológicas Biodiversidade: níveis e escalas Anos 6º ao 9º ano Tempo estimado 6 aulas Introdução Esta sequência didática é a primeira de uma série de oito propostas sobre os biomas brasileiros para Ensino Fundamental II. A partir de pesquisas, produção de textos e mapas, painéis e debates, os alunos vão entender a complexidade dos biomas do país e avaliar sua diversidade natural, hoje ameaçada pela expansão econômica e por algumas formas de uso e ocupação do território. Nesta primeira sequência, a turma vai compreender os conceitos de biomas e domínios morfoclimáticos e aprender as principais características naturais do Brasil. Os estudantes vão entender, também, quais os efeitos do uso e da ocupação da terra para a preservação da diversidade natural brasileira. Confira as demais sequências da série ao lado. Desenvolvimento 1ª aula Faça uma roda de conversa com a turma sobre o que eles já sabem a respeito dos biomas brasileiros. Peça que descrevam os aspectos naturais do local em que vivem e digam como se inserem no quadro nacional. Anote os resultados no quadro e proponha que a turma realize uma atividade de campo, em que observem o bairro ou município em que vivem. Para isso, divida os alunos em grupos e peça que elaborem um pequeno roteiro de observação. Oriente-os a incluir os seguintes pontos: espécies de plantas encontradas; porte da vegetação; características dos solos: fauna associada: aspectos climáticos, relevo e hidrografia. 2ª aula Organize a visita e escolha um local adequado para a atividade – pode ser uma unidade de conservação no município, uma visita à área rural, ou mesmo uma volta no bairro. Acompanhe os alunos durante a atividade e aproveite para destacar as interações ecológicas do meio: presença de umidade, porte da vegetação, luminosidade, relevo e distribuição das plantas. Os registros podem ser feitos por escrito e por meio de desenhos e fotografias. 3ª aula Já na sala de aula, peça que a turma finalize os relatórios de observação. Se os alunos não conseguirem responder a todas as questões do roteiro durante a atividade de campo, eles podem realizar pesquisas na sala de aula ou na internet. 4ª aula O passo seguinte é entender os conceitos de bioma e domínio morfoclimático, e aprender quais os ecossistemas presentes no território brasileiro. A partir daí, a turma poderá relacionar as informações de sala de aula com os resultados do trabalho de campo e entender como o local em que vivem se insere na Geografia nacional. (Para saber mais, assista aos Vídeos Planetinha. Informações sobre os biomas brasileiros, disponíveis no site do Planeta Sustentável) Comece a aula pedindo que os alunos se reúnam nos grupos e observem o mapa e o quadro abaixo: Brasil - Biomas Mapa de Biomas do Brasil. Fonte: IBGE - Ministério do Meio Ambiente, 2004 Biomas continentais brasileiros Área aproximada (km2) Área /total Brasil Bioma Amazônia 4.196.943 49,29% Bioma Cerrado 2.036.448 23,92% Bioma Mata Atlântica 1.110.182 13,04% Bioma Caatinga 844.453 9,92% Bioma Pampa 176.496 2,07% Bioma Pantanal 150.355 1,76% Área total do Brasil 8.514.877 Com base neles, peça que os alunos levantem as principais características dos biomas brasileiros. Solicite que anotem as observações feitas e comente com eles os resultados encontrados. A turma deve perceber que o Brasil é dividido em seis grandes unidades continentais, sendo a Amazônia a mais extensa, recobrindo quase 50% do território nacional e parte de países vizinhos como Peru, Bolívia, Colômbia e Venezuela. Do ponto de vista da cobertura vegetal, explique que são florestas amazônicas, assim no plural, pois temos as matas de terra firme, várzea e igapó. Comente com a turma que outro bioma florestal, a mata Atlântica, está associada à umidade e aos ventos alíseos vindos do oceano. Sua distribuição azonal e suas altitudes variadas lhe conferem elevada diversidade de plantas e animais. O bioma apresenta florestas costeiras e interiores – ou de altitude – associadas a outros ecossistemas, como matas de restinga, estuários, campos de atitude, manguezais, mata dos pinhais e ilhas de cerrado. (Para saber mais, leia a reportagem Era uma vez a Mata Atlântica, disponível no site do Planeta Sustentável). Somam-se a essas duas grandes áreas florestais, as coberturas vegetais abertas – como os cerrados, segundo maior bioma do país, a caatinga e os pampas – e o conjunto complexo do Pantanal, uma grande planície de inundação recoberta em sua maior parte por vegetação aberta. Entendidos os biomas, explique à classe que essa é a classificação do território mais usada atualmente, mas existe também outra bastante importante, que eles já devem ter ouvido falar: os domínios morfoclimáticos. Apresente aos estudantes o mapa abaixo e peça que observem diferenças em relação ao primeiro: Domínios morfoclimáticos. Fonte: Aziz N. Ab’Saber, 1975. Ouça as sugestões da turma e explique a eles como surgiram os dois conceitos e suas características principais (sabia mais no texto abaixo). Texto de apoio ao professor - Biomas e domínios morfoclimáticos As diversas paisagens que se estendem pelo globo terrestre podem ser agrupadas segundo alguns critérios, capazes de agregar regiões com características semelhantes e facilitar o entendimento dos fenômenos naturais e sociais. Quando falamos em paisagens naturais, há dois conceitos importantes: bioma e domínio morfoclimático. De origem grega, a palavra bioma (bio = vida + oma = grupo) foi utilizada pela primeira vez nos anos 1940 por Frederic Clements para designar grandes unidades caracterizadas pela uniformidade na distribuição e predomínio de espécies de flora e fauna, associadas a relevo, solos e macroclimas. Mais tarde, a classificação foi aprimorada, passando a designar grandes unidades com características semelhantes no que se refere à sua fisionomia, formas de vida, estruturas e fatores ambientais associados - clima, relevo, solos e hidrografia. O conceito de domínios morfoclimáticos (morpho = formas + clima) foi proposto nos anos 1970 por Aziz Ab´Saber, sendo utilizado para classificar as interações entre os elementos naturais construídas ao longo do tempo. Os domínios se referem a unidades paisagísticas a partir, em especial, das relações entre clima e relevo, pontuadas por paisagens distintas geradas pela variação de fatores naturais. Dentro do conceito de domínios, são valorizadas as faixas de transição entre uma paisagem e outra, deixando claro que essa passagem se dá de forma gradual e não abrupta. Atualmente, predomina o conceito de biomas, mas é importante que a turma entenda também a ideia de domínios morfoclimáticos e consiga perceber que existem zonas de transição entre uma paisagem e outra. Para finalizar a aula, comente com a turma os domínios morfoclimáticos do país. O amazônico é um conjunto de terras baixas com florestas, sob clima equatorial, com umidade constante (Para saber mais, leia o Especial Amazônia, disponível no site do Planeta Sustentável).Os mares de morros correspondem, por sua vez, a uma faixa com a presença de topos de morros aplainados, convexos, como se fossem meias-laranjas, recobertos em grande parte pela mata Atlântica. Entre outros conjuntos, estão a depressão sertaneja – com a presença de caatingas – e os chapadões do Planalto Central – com cerrados e matas-galeria acompanhando os rios. Destaque no mapa a presença das faixas de transição - como o agreste nordestino. 5ª aula Na quinta aula, discuta com a moçada os riscos e ameaças aos biomas brasileiros, os limites do processo de ocupação e a necessidade de medidas e políticas públicas de proteção. Peça que examinem o mapa a seguir e comentem as principais informações encontradas: Brasil - Domínios naturais: limites e ameaças Domínios naturais: limites e ameaças. Fonte: THÉRY, H.; MELLO, Neli. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do Território. São Paulo: Edusp, 2006, p. 70 Com base no mapa, discuta com a classe os principais desafios de conciliar preservação com o desenvolvimento econômico-social. Peça que a classe observe algumas consequências da ação humana na natureza: desabamentos em morros sem cobertura de matas em áreas urbanas da faixa litorânea, avanço da desertificação no sertão nordestino e o arco do desmatamento na Amazônia oriental, área de expansão de fronteiras econômicas. Explique a eles que esses problemas não surgiram recentemente, mas são o resultado de anos. Dê o exemplo das matas Atlânticas, porta de entrada para a ocupação histórica do território, hoje reduzidas a 7% de sua cobertura original, com remanescentes que precisam ser preservados em sua biodiversidade. Diga a eles que essas matas abrigam nascentes de cursos d’água e uma incrível variedade de mamíferos, aves, répteis e anfíbios. Elas apresentam a mais rica composição de mamíferos da América do Sul, com macacos-prego, o muriqui, a onça-parda, a jagauatirica, quatis, gambás e outros, vários deles sob ameaça. Converse com a turma também sobre o progressivo avanço da agricultura moderna sobre os cerrados e os riscos da contaminação de cursos d’água no Pantanal (Para saber mais, leia o artigo Cerrado, um drama em silêncio, disponível no site do Planeta Sustentável). Nos campos do sul, vem avançando a formação de areais, com visível perda de solos e coberturas. 6ª aula Para finalizar a atividade, peça que os alunos se reúnam nos grupos e proponha que elaborem um painel sobre o tema: “Biomas brasileiros: um mapeamento”. Explique à turma que eles devem representar em seus trabalhos as características dos biomas existentes no país, destacar os problemas enfrentados atualmente – podem ser feitas reproduções dos mapas analisados, acompanhadas de fotografias e ilustrações – e relacionar os traços e elementos naturais encontrados no trabalho de campo ao bioma correspondente. Acompanhe o trabalho dos grupos e esclareça possíveis dúvidas. Como atividade de casa, solicite que cada aluno elabore um texto resumindo os conceitos aprendidos nesta sequência didática. Explique que o material será usado como apoio para as próximas aulas, em que eles vão analisar, em profundidade, cada um dos biomas brasileiros. Avaliação Leve em conta a participação de cada aluno nas tarefas individuais e coletivas e sua contribuição para o enriquecimento das discussões. Avalie a produção de textos – relatórios, sínteses, legenda para o painel – e a organização de textos e imagens no painel, considerando as características dos gêneros e a clareza e organização textual. Observe também o domínio de conceitos apresentados em sala. Se possível, reserve tempo para que a turma avalie a experiência. Biomas brasileiros: Parte 2 - Amazônia Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Paisagens brasileiras Objetivos Identificar e compreender a configuração natural do bioma Amazônia. Relacionar coberturas vegetais, fauna, clima, relevo, solos e recursos hídricos no bioma. Analisar processos de ocupação na região, considerando energia e transportes, extrativismo vegetal e mineral, agropecuária e urbanização. Reconhecer e analisar a organização social de populações tradicionais da Amazônia. Identificar unidades de conservação e usos sustentáveis da biodiversidade do bioma Amazônia. Desenvolver pesquisa, coleta, seleção e organização de dados, textos e imagens. Ler e interpretar mapas em diferentes escalas. Conteúdos Bioma Amazônia: caracterização, configuração natural, usos, riscos e ameaças; Biodiversidade; Diversidade cultural; Populações tradicionais; Produção econômica; Produção do espaço; Unidades de conservação; Cartografia Anos 6º ao 9º ano Tempo estimado Cinco aulas Introdução Esta sequência didática é a segunda de uma série de oito propostas sobre os biomas brasileiros para Ensino Fundamental II. A primeira delas teve como objetivo fazer com os alunos um mapeamento dos biomas brasileiros, acompanhado de discussões sobre as classificações das unidades naturais presentes no território brasileiro. (Confira as demais sequências da série ao lado). Desta vez, o tema central é a Amazônia, bioma que se tornou símbolo mundial da biodiversidade e que abriga a maior floresta tropical e a maior bacia hidrográfica do planeta, com 68% da vazão nacional. À diversidade natural, hoje ameaçada, se associa uma extraordinária diversidade cultural, composta por povos indígenas, ribeirinhos, comunidades quilombolas, posseiros e seringueiros. Praticamente tudo que se refere à região é superlativo. O bioma Amazônia possui cerca de 8 milhões de quilômetros quadrados, distribuindo-se por nove países da América do Sul. No Brasil, atinge 4,1 milhões de quilômetros quadrados, pouco menos que a metade do território nacional. Uma extensa cobertura vegetal, à primeira vista homogênea, revela em seu interior matas de terra firme, encostas, igapós e várzeas, além de cerrados e campinas. Relativamente isolada ao longo do tempo, a região tem hoje ritmo acelerado de crescimento e expansão de fronteiras econômicas, gerando diversos focos de tensões sociais e impactos ambientais. O tema é um convite aos estudantes para saber mais sobre a riqueza e complexidade das realidades da Amazônia, por meio de pesquisas, leitura de textos e mapas, painéis e debates. Desenvolvimento 1ª aula Converse com os alunos sobre o que eles já sabem a respeito da Amazônia. Discuta as informações levantadas pela classe e peça que registrem em seus cadernos. Esses pontos serão retomados ao final da sequência. Em seguida, divida a turma em pequenos grupos e peça que observem os mapas a seguir. Pergunte aos alunos por que dizemos que não existe uma Amazônia, mas várias? Bioma Amazônia Bacia Hidrográfica Amazônica Amazônia Legal De acordo com os mapas, os estudantes devem perceber que temos a Amazônia Legal, o bioma Amazônia, a Bacia Hidrográfica Amazônica, além da divisão político-regional do país que estabelece a Região Norte. Apresente informações sobre cada uma delas, utilizando o texto a seguir. Amazônias Bacia Amazônica: desde sua nascente, na Cordilheira dos Andes, no Peru, até a foz, o Amazonas tem uma extensão de 6.400 quilômetros, superando o Nilo, segundo as últimas pesquisas. É também o maior rio do planeta em vazão, com volume variando de 120 milhões a 200 milhões de litros de água por segundo. Essa vazão de água doce corresponde a 20% de todos os rios do planeta. Estima-se que por dia ele lance no Oceano Atlântico 1,3 milhões de toneladas de sedimentos. Bioma Amazônia: Corresponde ao conjunto de ecossistemas que formam a Bacia Amazônica. Está presente em nove países da América Latina. Além das florestas tropicais, sua paisagem também é composta por mangues, cerrados, várzeas, entre outros. No Brasil, encontra-se o núcleo dessa paisagem, a hiléia amazônica, com grande concentração de árvores de grande porte, com até 50 metros de altura, tendo o rio Amazonas como eixo que domina 300 quilômetros para cada lado do seu curso, que ocupa 3,5 milhões de quilômetros quadrados. Amazônia Clássica: É uma divisão política e geográfica, que inclui os seis estados que formam a região Norte: Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia, Acre e Amapá. Nessas unidades, predomina a floresta tipo hiléia. Amazônia Legal: É uma criação administrativa do governo federal, de 1996, que juntou os estados da Amazônia Clássica aos que se situavam em suas bordas (Maranhão, Tocantins e Mato Grosso), tendo com ela certa identidade física, humana e histórica, seja no Meio Norte (pelo lado do Nordeste), como no Planalto Central (pelo Centro-Oeste). Essa região poderia receber recursos dos incentivos fiscais, um fundo formado pela renúncia da União à cobrança de impostos de empreendedores dispostos a investir nessa fronteira ainda pouco conhecida e ocupada. Em vez de aplicarem capitais próprios, esses investidores podiam se habilitar a receber dinheiro que, sem os incentivos, teriam que ser recolhidos ao tesouro nacional na forma de imposto de renda. Esse fundo foi administrado por duas agências federais, a Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia - SPVEA (entre 1953 e 1966) e, em seguida, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia – Sudam, extinta em 2000 sob acusações de corrupção. Sua recriação foi prometida, mas até hoje não efetivada. Fonte: Almanaque Brasil Socioambiental, 2004, p. 74. Peça aos alunos que montem um quadro-síntese com os dados. Informe também que, apesar da grande extensão, a área do bioma Amazônia conta com apenas 25 milhões de habitantes. Segundo dados do Instituto Socioambiental, descontadas as sobreposições, em 33% do bioma localizam-se áreas protegidas, sendo 21% parques e terras indígenas e 12% unidades de conservação federal e estadual. 2ª aula Sugira à turma manter os grupos de trabalho e proponha que cada um deles escolha um tema sobre a Amazônia, listados abaixo, para pesquisar e elaborar painéis com textos, fotos, mapas e dados apresentados em tabelas e gráficos: 1. Bioma - formações florestais e outras coberturas, solos e fauna 2. A água na Amazônia 3. Diversidade sociocultural na Amazônia 4. Integração territorial e matriz de transportes da Amazônia 5. Matriz energética da Amazônia 6. Cidades e urbanização da Amazônia 7. Zona Franca de Manaus 8. Agropecuária na Amazônia 9. Extração de madeira, desmatamento e queimadas na Amazônia 10. Áreas protegidas, zoneamento ecológico-econômico e projetos de conservação na Amazônia. Explique à turma que as pesquisas devem ser realizadas ao longo desta aula e da próxima, e dê algumas orientações e referências para o trabalho. Comente com os estudantes que eles podem encontrar uma série de informações no movimento Planeta Sustentável e peça que leiam o Especial Amazônia e o artigo Povos da Amazônia, disponíveis no site. Peça que os alunos levem em conta as diferentes fases e processos de produção do espaço da região, e comente com eles o período da borracha, no século 19, e os planos de desenvolvimento regional, nos anos 1970. Lembre-os, também, de que, apesar da riqueza regional, a população da Amazônia apresenta dificuldades de acesso aos recursos e serviços básicos. Diga à classe que, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Pnad/IBGE de 2006, apenas 56% dos domicílios estavam ligados à rede de água e somente 4% dos domicílios tinham acesso à rede de esgotos. Apresente aos alunos, ainda, os mapas a seguir: Mapa 1 – Amazônia Legal: logística de transportes – 2006 Mapa 1 – Amazônia Legal: logística de transportes – 2006. Fonte: BECKER & STENNO, p. 86. Mapa 2 – Amazônia: desmatamento e Unidades de conservação Mapa 2 – Amazônia: desmatamento e Unidades de conservação. BECKER & STENNO, p. 74. 3ª aula Acompanhe o trabalho dos grupos e destaque alguns pontos importantes. Sobre a configuração do bioma e do meio físico, chame a atenção para o fato de a região estar em clima equatorial, com temperaturas médias em torno de 26 a 27 graus Celsius e elevada pluviosidade. A diversidade de coberturas compreende as matas de terra firme – livres de inundações –, recobrindo cerca de 80% da Amazônia no país. As matas de várzea ocupam terrenos ao longo dos rios de águas claras, como o Amazonas, o Madeira e o Purus, e as matas de igapó podem ser encontradas nos terrenos mais baixos e úmidos. Ressalte também que grande parte dos solos amazônicos é ligeiramente ácida, arenosa e com baixo teor de nutrientes. O que sustenta a portentosa floresta, portanto, é o complexo sistema de ciclagem dos nutrientes. Mostre também o arco do desmatamento, longa faixa do leste do Pará a Rondônia, fortemente afetada pela expansão das frentes agropecuárias e madeireiras - e seus riscos para as comunidades ribeirinhas, indígenas e outros povos da floresta. Comente com a classe que a biodiversidade é o maior patrimônio da região e também do país. A flora compreende algo em torno de 30 mil espécies. São cinco mil espécies de árvores, contra apenas 650 na América do Norte. Quanto à fauna, destacam-se as espécies de peixes, aves e artrópodes – insetos, aranhas etc – além de quase duas mil espécies de borboletas. Com base nessa riqueza, multiplicam-se os usos com a “floresta em pé”, pesquisas, bioindústrias, plantas para fitomedicamentos e cosmética, coleta e processamento de produtos florestais, manejo florestal e outros. (Para saber mais sobre outros projetos, leia o artigo Fundo Amazônia já tem projetos, disponível no site do Planeta Sustentável). 4ª e 5ª aulas Reserve tempo e espaços para que os grupos finalizem os painéis e organizem roteiros de apresentação dos resultados. Promova a apresentação dos grupos e discuta os resultados com a turma. Elabore, com a participação de todos, um quadro-síntese sobre a Amazônia. Em seguida, proponha que cada aluno volte às impressões iniciais registradas na primeira aula e solicite que escrevam em que medida os novos dado confirmaram as hipóteses iniciais. Avaliação Leve em conta a participação de cada um nos momentos individuais e coletivos. Examine a correção de dados, mapas e textos e a disposição dos elementos do painel. Avalie o domínio de noções, conceitos e processos que são uma chave para o entendimento da realidade amazônica, de acordo com os objetivos propostos. Reserve um tempo para que a turma avalie a experiência e considere a possibilidade de novos desdobramentos para o trabalho. Biomas brasileiros: Parte 3 - Mata Atlântica Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Paisagens brasileiras Objetivos Identificar e compreender a configuração natural da Mata Atlântica e ecossistemas associados. Relacionar coberturas vegetais, fauna, clima, relevo, solos e recursos hídricos no bioma. Correlacionar distribuição e biodiversidade do bioma. Identificar e avaliar processos de expansão agrícola, industrialização, urbanização e construção de sistemas viários e seus efeitos no bioma. Reconhecer e analisar unidades e políticas de conservação e usos sustentáveis do bioma. Desenvolver pesquisa, coleta, seleção e organização de dados, textos e imagens. Ler e interpretar mapas em diferentes escalas. Conteúdos Bioma Mata Atlântica: caracterização, configuração natural, usos, riscos e ameaças; Biodiversidade; Diversidade cultural; Produção econômica e produção do espaço; Fragmentos florestais; Unidades de conservação. Anos 6º ao 9º Tempo estimado Cinco aulas Introdução Esta sequência didática é a terceira de uma série de oito propostas sobre os biomas brasileiros para Ensino Fundamental II. A primeira delas teve como objetivo fazer com os alunos um mapeamento dos biomas brasileiros, acompanhado de discussões sobre as classificações das unidades naturais presentes no território brasileiro. A segunda trouxe o detalhamento do bioma Amazônia. (Confira as demais sequências da série ao lado). Nesta terceira sequência, o objetivo é discutir a Mata Atlântica, destacando a configuração natural do bioma, a evolução histórica de usos e formas e ocupação e o desafio atual da preservação dessa rica formação florestal. Convide a turma para essa empreitada. Texto de apoio ao professor - Matas Atlânticas Imensa fachada florestal que surpreendeu os portugueses em sua chegada, as Matas Atlânticas guardavam segredos que aos poucos foram sendo revelados. Recobrindo originalmente de 12% a 15% do que veio a ser o território brasileiro, elas se distribuíam pela faixa litorânea do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, avançando para áreas interiores e alcançando frações dos atuais Paraguai e Argentina, em uma área de aproximadamente 1,1 milhão de quilômetros quadrados. Mas por que "Matas Atlânticas", no plural? Muito heterogênea e diversificada, com distribuição azonal – uma variação climática latitudinal - e em vários níveis de altitude, trata-se de uma das formações de maior biodiversidade do planeta. O conjunto abriga matas de encosta e de altitude e formações costeiras associadas a diferentes ecossistemas – manguezais, restingas, vegetação de ilhas litorâneas -, além de enclaves de cerrados, campos e campos de altitude. Tomando como referência a proposição dos geógrafos Sueli A. Furlan, da Universidade de São Paulo, e João C. Nucci, da Universidade Federal do Paraná, a denominação inclui todas as formações florestais que compõem esse domínio natural e os ecossistemas associados. Do extraordinário conjunto natural, formado sob a influência dos ventos úmidos oceânicos, resta hoje somente 7% da cobertura original. Na região vive cerca de 62% da população brasileira, o equivalente a 110 milhões de pessoas, e está a maior concentração de atividades do país – cidades, estradas, portos, agropecuária, extrativismo etc. A área é palco de desmatamento ilegal e intensa especulação imobiliária, ao mesmo tempo em que abriga populações que lutam para manter seus modos de vida tradicionais, como caiçaras, indígenas e descendentes de quilombolas. Entre os grandes desafios das Matas Atlânticas nos dias de hoje destacam-se a manutenção dessas populações remanescentes, a instituição de usos com a “floresta em pé” e a compreensão da dinâmica dos diversos fragmentos florestais. Desenvolvimento 1ª e 2ª aulas Proponha à turma a leitura e a interpretação dos mapas 1 e 2, apresentados abaixo, e a comparação entre eles. As figuras mostram, respectivamente, a distribuição original das Matas Atlânticas e as áreas remanescentes. Explique aos alunos que a classificação utilizada indica formações florestais ombrófilas – em que não falta umidade durante o ano – e estacionais – com maior umidade em parte do ano. São descritas, também, vegetações densas ou abertas – árvores de grande e médio porte com graus variados de densidade nos diversos estratos. E aparecem, ainda, as divisões da região em áreas deciduais – em que 50% das árvores que perdem as folhas em parte do ano – ou semideciduais – com perda periódica de folhas em 20% a 50% das árvores. Mapa 1 – Matas Atlânticas: cobertura vegetal original. Fonte: INPE. SOS Mata Atlântica, 2006. Mapa 2 – Matas Atlânticas: remanescentes florestais (2005). Fonte: INPE. SOS Mata Atlântica, 2006. Ao observar os mapas, os estudantes vão notar que os principais remanescentes das Matas Atlânticas estão situados em faixas no sul da Bahia e em uma larga faixa ao longo do litoral, do Rio de Janeiro a Santa Catarina, com destaque para as formações no Vale do Ribeira (SP) e norte do Paraná. Comente que a manutenção ocorre, paradoxalmente, próxima à maior metrópole brasileira. Peça que os alunos registrem as observações e solicite que façam em casa uma pesquisa sobre as características de clima, flora e fauna das Matas Atlânticas (para saber mais, leia a reportagem Era uma vez a mata Atlântica, disponível no Planeta Sustentável). 3ª aula Confira os dados levantados pelos alunos em casa, complemente e discuta o tema em sala de aula. É importante que os elementos naturais e as interações entre as formas de vida e o meio físico estejam corretamente assinalados. Para isso, utilize como referência o quadro a seguir. Matas Atlânticas Florestas costeiras – envolve mais de um tipo de mata em montanhas, serras e nas planícies litorâneas. Nas praias, encontra-se a vegetação adaptada à salinidade, insolação, solo arenoso e déficit hídrico. São plantas pioneiras e rasteiras. Fora do alcance do mar, estão matas de jundu, com espécies arbóreas, bromélias e o gravatá. Após o jundu, surge a mata de restinga, em solos relativamente pobres e arenosos, com árvores e substrato arbustivo; aparecem palmeiras, lianas, bromélias e samambaiaçus. Associados a estas formações estão os manguezais, sob influência da água do mar e da água doce dos rios, e costões rochosos. Matas de encosta – condicionadas ao clima e à alta pluviosidade durante todo o ano, marcada pelos ventos úmidos de sudeste. No Sul e Sudeste, recobrem as serras do Mar, Mantiqueira, Paranapiacaba e Geral. A umidade constante e as altas temperaturas garantem florestas densas com árvores de 20 a 30 metros, em dois ou mais estratos. Podem ser encontradas até espécies mais altas, de até 40 metros, como o jequitibá-branco. Há muitas epífitas e trepadeiras sobre as árvores. O sub-bosque é escuro, úmido e com pouca ventilação. Em face de declividades acentuadas em montanhas, os solos são rasos e sujeitos a deslizamentos. Aí estão o pau-brasil, a paineira e as palmeiras. Em áreas alteradas surgem as embaúbas. Matas de altitude e interiores – em topos de morros e montanhas há pequenas alterações na vegetação. Nessas matas surgem as florestas de neblina, face às temperaturas mais baixas – como é o caso de Paranapiacaba, em São Paulo. As condições de insolação, temperatura e umidade variam de acordo com a posição do conjunto natural e exposição dele ao sol. O porte das árvores é menor, com caules mais tortuosos e ocupados por musgos, liquens e orquídeas. Sob ventos mais frios e secos, surgem os campos de altitude ou rupestres, com diversidade de espécies endêmicas (herbáceas e arbustos pequenos). As florestas interiores, em grande parte, cederam lugar aos cultivos agrícolas e urbanização. Restam poucos remanescentes, situados a oeste das serras e montanhas costeiras. Sob clima mais marcadamente tropical e variadas condições de solo – terra roxa, mais fértil, e arenosos, muito pobres – surgem as perobas-rosas, imbuias e jatobás, além de palmeiras como o jerivá, e de matas de pinhais, situadas mais ao sul do país. Fauna – a diversidade de fauna está associada à diversidade de ambientes. Na presença de água, encontram-se os jacarés, sapos, cágados e algumas cobras e aves. Rãs e saracuras preferem os brejos, e outros vivem tanto na água como na terra, como antas, ratões do banhado, capivaras e ariranhas. No chão das florestas podem ser encontrados lagartos, cobras, jabutis, quatis e catetos. As Matas Atlânticas possuem a mais rica composição de mamíferos de toda a América do Sul e talvez do planeta: gambás, cuícas, morcego, cachorro do mato e felinos como a onça-parda e a jaguatirica e primatas de variados gêneros (mico-leão preto e dourado, bugio, muriqui etc). Há, também, grande variedade de répteis e aves. Muitas dessas espécies correm forte risco, causados principalmente pela destruição de seu habitat natural. O mesmo ocorre com os peixes, colocados em perigo devido ao assoreamento, represamento ou contaminação de rios. Fonte: FURLAN, Sueli A.; NUCCI, João C. A conservação das florestas tropicais. São Paulo: Atual, 1999, p. 32-38 (com adaptações). Faça alguns destaques para a turma. Pergunte a eles por que é importante preservar esses conjuntos naturais? Ouça as repostas e comente que, além da manutenção da biodiversidade e das formas de vida ali existentes, é preciso lembrar que as florestas tropicais – como é o caso das Matas Atlânticas –, oferecem os chamados serviços ambientais, elementos úteis à vida dos seres humanos: armazenamento de carbono, regulação climática, controle de deslizamentos, inundações, erosão e assoreamento e uma formidável produção de água. Apesar dessas qualidades, mostre à classe que os usos e a ocupação predatórios das Matas Atlânticas vêm de longa data. O historiador norteamericano Warren Dean (1932-1994), por exemplo, conta que, no Rio de Janeiro do século 19, em torno de quinhentos carroções de madeiras nobres eram descarregados na cidade para serem usados como lenha ou em edificações. Peça que os alunos relembrem outros exemplos de destruição das Matas Atlânticas. Discuta as respostas da moçada e dê o exemplo de Cubatão, em São Paulo. Atingida pelos gases tóxicos do pólo petroquímico, a região já foi considerada o lugar mais poluído do planeta. Explique à classe que, atualmente, podem ser encontradas experiências positivas de preservação ambiental próximas a Cubatão. Um exemplo é a vila de Paranapiacaba, na Serra do Mar. A área é o berço do rio Grande – principal formador da represa Billings, que abastece toda a região da Grande São Paulo – e tornou-se pólo de preservação ambiental em 2001, passando a ser mantida pelo Parque Municipal Nascentes de Paranapiacaba. (Para saber mais, veja a reportagem O que tem sido feito pela floresta, disponível no Planeta Sustentável). Opções de cultivos agroflorestais, manejo de florestas e serviços de turismo e Educação Ambiental também estão sendo testadas em diversos pontos da região. Peça que os estudantes pesquisem outras unidades de conservação, de preservação integral e de uso sustentável no país. 4ª aula Peça aos alunos que organizem os dados sobre as Matas Atlânticas obtidos nas aulas anteriores e pesquisados em casa. Divida a turma em pequenos grupos e proponha que elaborem painéis em cartolina, papel kraft ou, se possível, em meio eletrônico, com textos e imagens (mapas, fotos, ilustrações) tratando os seguintes temas: - Configuração natural do bioma - Evolução histórica de usos e formas e ocupação - Desafios da preservação - Propostas para o uso sustentável das Matas Atlânticas Peça que os grupos preparem um pequeno roteiro escrito para apresentar suas ideias à classe na aula seguinte. 5ª aula Reserve a última aula para a apresentação dos grupos. Terminadas as exposições, discuta os resultados finais e elabore com a turma um quadro-síntese sobre o tema. Considere a possibilidade de expor os resultados na escola. Avaliação De acordo com os objetivos e conteúdos previstos, avalie o domínio de noções, conceitos e processos que são chave para o entendimento da realidade estudada. Leve em conta a participação de cada um nos momentos individuais e coletivos e examine a correção de dados, mapas e textos e outros elementos no painel. Não se esqueça de examinar a organização e clareza dos textos e da exposição oral e verificar as contribuições de cada estudante nas tarefas individuais e coletivas. Reserve um tempo para que a turma avalie a experiência e examine novos desdobramentos para o trabalho. Biomas brasileiros: Parte 4 - Cerrado Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Paisagens brasileiras Objetivos Identificar e compreender a distribuição e a configuração natural do cerrado brasileiro, incluindo suas formações abertas, florestas e ecossistemas associados. Relacionar coberturas vegetais, fauna, clima, relevo, solos e recursos hídricos do bioma. Correlacionar distribuição e biodiversidade do bioma. Identificar e avaliar processos de expansão agrícola, industrialização, urbanização e construção de sistemas viários e seus efeitos no bioma. Reconhecer e analisar unidades e políticas de conservação e usos sustentáveis do bioma. Conteúdos Bioma Cerrado: caracterização, configuração natural, usos, riscos e ameaças; Biodiversidade; Populações tradicionais e diversidade cultural; Agropecuária moderna e produção do espaço nos cerrados; Matas ciliares; Bacias hidrográficas e recursos hídricos; Unidades de conservação; Pesquisa, coleta, seleção e organização de dados, textos e imagens; Leitura e interpretação de mapas em diferentes escalas. Anos 6º ao 9º Tempo estimado Quatro aulas Introdução Esta é a quarta sequência didática de uma série de oito propostas sobre os biomas brasileiros para Ensino Fundamental II. A primeira delas teve como objetivo fazer com os alunos um mapeamento dos biomas brasileiros, acompanhado de discussões sobre as classificações das unidades naturais presentes no território brasileiro. A segunda trouxe o detalhamento do bioma Amazônia e a terceira destaca as matas atlânticas brasileiras. (Confira as demais sequências da série ao lado). Nesta sequência, vamos discutir a configuração natural dos cerrados, reconhecendo sua distribuição bem como as interações entre formas de vida e meio físico. Apesar de ser o segundo maior bioma do país – só perde em extensão para a Amazônia – e possuir rica biodiversidade e elevado endemismo de espécies de plantas, está sob séria ameaça diante da expansão da agropecuária moderna e virtuais desdobramentos. Convide a garotada a saber mais sobre a grande savana brasileira. Texto de apoio ao professor - Cerrado Os cerrados estão localizados basicamente no Planalto Central do Brasil. Configurando o que Aziz Ab´Saber denominou como domínio morfoclimático, eles correspondem à extensão de chapadões tropicais com cerrados e matas-galeria. Há também fragmentos de cerrado em Roraima, Amapá, Amazonas, Minas Gerais, em estados do Nordeste e no sul-sudeste do Brasil. Em sua origem, o bioma recobria cerca de 2,1 milhões de quilômetros quadrados, ou 23% da área total do território nacional. Face às condições climáticas – clima tropical típico com estações bem definidas, seca de abril a setembro, e chuva de outubro a março, e temperaturas médias em torno de 25º C, podendo chegar a máximas de 40ºC no alto verão – e aos tipos de solo – em muitos casos, ácidos, arenosos, com deficiência de nutrientes e ricos em ferro e alumínio –, o bioma apresenta grande diversidade de coberturas vegetais. Entre elas estão formações abertas como os campos “limpos” e “sujos”, com predomínio de arbustos e vegetação rasteira; os campos rupestres, em topos de serras e chapadas acima dos 900 metros de altitude; o cerradão, com florestas associadas a solos profundos de média a baixa fertilidade; e as matas de galeria, que acompanham o curso dos rios e córregos. São 12 mil espécies de plantas já identificadas, sendo que cerca de 4.400 são endêmicas – exclusivas da área – com variedade de flores e frutos ainda desconhecidos pela maioria da população brasileira. Além do pequi e do buriti, que já romperam fronteiras, encontra-se ali ingá, pitomba, mangaba, baru, cagaitá, entre outros. Há numerosas espécies de borboletas – mais de mil já catalogadas –, mamíferos – lobo-guará, veados, tatus, onças etc – e aves como emas, seriemas e papagaios. Entre as espécies vegetais estão o barbatimão, a gabiroba, o araçá, a sucupira, a indaiá, as sempre-vivas etc. Muitas delas estão adaptadas a buscar água em lençóis freáticos profundos. Daí a imagem de que o cerrado é uma “floresta de cabeça para baixo”. O bioma é, também, recortado por rios das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul: Tocantins-Araguaia, que abastece a bacia amazônica; São Francisco; e Prata, com sub-bacias como as do Paraná e do Paraguai. Apesar de sua rica biodiversidade e seu papel como importante produtor de água, os Cerrados não têm o mesmo prestígio da Amazônia e das Matas Atlânticas. As coberturas de árvores com galhos retorcidos e folhas e cascas grossas, relativamente esparsas entre a vegetação rala e rasteira, foram marcadas ao longo do tempo de forma negativa, como um ambiente hostil a ser ocupado e transformado. Desse modo, quase 800 mil quilômetros quadrados do bioma já foram devastados, em especial pelo avanço da agropecuária moderna, queimadas, corte de árvores, abertura de estradas e surgimento ou expansão de cidades. Apenas 3% do cerrado encontra-se em áreas protegidas. O bioma não figura na Constituição Federal como patrimônio ambiental brasileiro – como ocorre com Amazônia, Matas Atlânticas, Pantanal e Zona Costeira. A diversidade cultural do país também está ameaçada, já que a região abriga diversas reservas indígenas e comunidades de remanescentes de quilombolas, entre elas a dos Calunga (nordeste de Goiás), com mais de mil famílias. (Para saber mais, leia as reportagens Delícias do cerrado, Esqueceram o desmate do cerrado e Cerrado paulista, disponíveis no site do Planeta Sustentável). Desenvolvimento 1ª e 2ª aulas Proponha que os estudantes examinem os mapas a seguir com a cobertura vegetal original do cerrado e as áreas remanescentes, que resistiram à devastação. MAPA 1 - Cerrado: Cobertura original Fonte: National Geographic Brasil, out. 2008, p. 63 MAPA 2 - Cerrado: Retração da vegetação nativa Fonte: IBGE. Atlas geográfico escolar. Rio de Janeiro: IBGE, 2004, p. 110. Peça que observem as mudanças na distribuição do cerrado no Planalto Central e em outras áreas do país. Converse com a turma sobre as principais características naturais, econômico-sociais e culturais da região (utilize o texto-base como referência). Se necessário, apresente imagens e outros documentos para a classe. Em seguida, proponha que se dividam em grupos para pesquisar as principais características do bioma. Cada grupo deve escolher um dos subtemas abaixo: - Diversidade de coberturas vegetais no cerrado; - Cerrado brasileiro, um berço das águas; - Expansão da agropecuária moderna no cerrado; - Como vivem os povos indígenas dos cerrados; - Como vivem os remanescentes de quilombolas no cerrado; - Preservação: os Parques nacionais das chapadas dos Guimarães e dos Veadeiros. Explique à moçada que o levantamento servirá de base para seminários e uma discussão oral sobre o tema geral “O que o Brasil perde sem o cerrado: desafios da preservação”, que serão organizados nas aulas seguintes. 3ª aula Auxilie os grupos na organização dos resultados das pesquisas e na preparação dos seminários. Os estudantes devem incluir nos trabalhos mapas, fotografias e outros materiais iconográficos. Peça, também, que selecionem as informações principais, preparem algumas anotações, e ensaiem o que vão dizer aos colegas. Para tornar o trabalho mais rico, forneça informações adicionais. Explique à moçada que a ocupação efetiva do bioma começou a ocorrer na década de 1960. Com o estabelecimento do regime militar, sucessivos governos promoveram a abertura de estradas e deram incentivos à expansão de culturas como soja, arroz e trigo (e, hoje, a cana), e criação de aves e gado bovino. A expansão foi possibilitada pela correção de solos e o desenvolvimento de novas espécies de sementes, adaptadas às condições locais, com forte participação da Embrapa. O estado de Mato Grosso é hoje o maior produtor nacional de soja e a região Centro-Oeste se destaca na criação de gado bovino. Comente, também, que os desmatamentos, as queimadas e o uso de produtos químicos na agricultura tornaram-se um problema a ser enfrentado no cerrado brasileiro. Segundo muitos especialistas, a região, que se tornou um celeiro agrícola e vem passando por rápido processo de modernização e urbanização, pode estar perdendo sua maior riqueza: a disponibilidade de água e de solos produtivos. Voçorocas (grandes buracos formados pela erosão causada pela chuva e por intempéries em solos de vegetação escassa), contaminação de cursos d’água e assoreamento tornaram-se comuns recentemente e são um alerta importante. Por fim, explique que o forte debate dos últimos anos levou a uma maior fiscalização da devastação e fez com que fossem considerados usos mais sustentáveis do bioma, como o ecoturismo (parques e chapadas, região pantaneira, Jalapão etc), coleta e processamento de produtos da biodiversidade do cerrado, melhor gestão dos recursos hídricos, economia da preservação, entre outros. 4ª aula Reserve a última aula para a apresentação dos seminários. Peça que os grupos apresentem os resultados de suas pesquisas para o restante da turma. Em seguida, promova uma discussão coletiva em que os estudantes discutam suas conclusões e considerações sobre o tema principal. Ao final dos debates, elabore com a moçada um quadro-síntese com os principais pontos e encomende uma dissertação individual sobre o tema. Avaliação Leve em conta a participação de cada estudante nas tarefas individuais e coletivas. Verifique também o domínio de conceitos, processos e habilidades em jogo. Avalie a pertinência das colocações em termos de propostas e alternativas de uso do bioma cerrado e examine a organização e clareza dos textos e da exposição oral. Se necessário, crie uma ficha de registros de atividades para facilitar a avaliação final. Reserve um tempo para que a turma avalie a experiência. Biomas brasileiros: Parte 5 - Caatinga Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Paisagens brasileiras Objetivos Identificar e compreender a distribuição e a configuração natural da caatinga. Relacionar coberturas vegetais, fauna, clima, relevo, solos e recursos hídricos no bioma. Correlacionar distribuição e biodiversidade. Identificar e avaliar processos de ocupação e perda de coberturas vegetais originais. Reconhecer e avaliar unidades e políticas de conservação e usos sustentáveis do bioma, assim como programas para contenção de sua devastação. Desenvolver pesquisa, coleta, seleção e organização de dados, textos e imagens. Ler e interpretar mapas em diferentes escalas. Conteúdos Bioma Caatinga: caracterização, distribuição, configuração natural, usos, riscos e ameaças; Caracterização do Sertão nordestino; Biodiversidade; Bacias hidrográficas e recursos hídricos; Unidades de conservação. Anos 6º ao 9º ano Tempo estimado Quatro aulas Introdução Esta é a quinta sequência didática de uma série de oito propostas sobre os biomas brasileiros para Ensino Fundamental II. A primeira delas teve como objetivo fazer com os alunos um mapeamento dos biomas brasileiros, acompanhado de discussões sobre as classificações das unidades naturais presentes no território brasileiro. A segunda trouxe o detalhamento do bioma Amazônia, a terceira destacou as matas atlânticas brasileiras e a quarta sequência abordou a situação atual dos cerrados. Este plano tem como objetivos discutir a configuração natural da caatinga, sua composição e diversidade de espécies e sua relação com as condições climáticas. Bioma exclusivamente brasileiro, ela abrange frações de todos os estados do Nordeste, além do norte de MG, numa área de 826,4 mil km² - cerca de 11% do território nacional, maior que Espanha e Portugal somados. Dados recentes, publicados em 2010 pelo Ministério do Meio Ambiente, indicam um aumento da devastação do bioma, que tem baixos percentuais de áreas protegidas. Texto de apoio ao professor - Caatinga As tradicionais imagens da caatinga e do semiárido nordestino, com solos secos e rachados e plantas de pequeno porte, muitas vezes deixam de revelar a extrema complexidade e diversidade do bioma. Suas paisagens refletem um clima de forte insolação, temperaturas elevadas na maior parte do ano, solos pedregosos, chuvas escassas e irregulares, com secas periódicas. Parte dos rios é intermitente e sazonal; as exceções são os caudalosos Parnaíba e São Francisco. Como salienta o professor Aziz Ab’Saber, cerca de 85% do espaço total do Nordeste seco se estende por depressões interplanálticas, situadas entre antigos maciços cristalinos e chapadas eventuais, sob a forma de incontáveis colinas sertanejas. Essas colinas são sulcadas por rios e riachos intermitentes, em climas quentes e relativamente secos. Mas a diversidade de solos e a presença de serras e brejos denotam também a presença de áreas mais úmidas. O inverno seco dura de cinco a oito meses, com maior precipitação no verão, mas irregulares no tempo e no espaço. Na região, massas de ar descendentes, mais secas e orientadas para a superfície, impedem a ascensão de ar indispensável à formação de nuvens e ocorrência de chuvas. Completa esse quadro natural a cobertura com vegetação arbustivo-arbórea e, mais raramente, arbórea. De origem tupi-guarani, caatinga significa mata branca. São pelo menos 12 tipos de coberturas, desde matas secas (caatinga arbórea) até caatingas abertas, capoeiras e extensões de arbustos baixos. As folhas miúdas, as cascas grossas e as hastes espinhentas são adaptadas à evapotranspiração intensa, tendo algumas plantas sistemas para armazenamento de água, como o mandacaru, xique-xique, barriguda e umbuzeiro. São pelo menos 930 espécies de plantas, sendo 380 endêmicas. Na região existem pelo menos 510 espécies de aves, das quais 470 se reproduzem localmente - dependem da vegetação para sobreviver. Há também ali grande variedade de cobras e lagartos. Estudo recente lançado pelo Ministério do Meio Ambiente indica que o total de caatinga devastada saltou de 43,3% em 2002 para 45,3% em 2008 – crescimento de área equivalente à do município de São Paulo. Entre as principais causas apontadas para esse avanço estão o uso da cobertura para lenha e carvão e o avanço de frentes agrícolas e de pecuária. Como se sabe, há novas frentes de expansão da moderna cultura de grãos pelo oeste da Bahia e sul do Maranhão e Piauí. Entre os municípios que registraram maior perda de caatinga estão Acopiara e Tauá (CE), Bom Jesus da Lapa e Campo Formoso (BA) e Serra Talhada (PE). O avanço preocupa porque apenas 7% da cobertura está protegida por unidades de conservação federais ou estaduais, com os habituais problemas de controle e fiscalização. Desse total, apenas 1% é de unidades de proteção integral. Com isso, podem estar em risco espécies de flora e fauna e a rica “farmácia a céu aberto” representada por diferentes plantas de uso medicinal, como a catingueira, o jerico e o angico.Diversos estudos e programas indicam, pelo menos, 80 áreas prioritárias para conservação da caatinga e definição de políticas articuladas entre União, estados e municípios de combate à devastação do bioma. Uma unidade de conservação a ser destacada é o Parque Nacional da Serra da Capivara, declarado patrimônio cultural pela Unesco em 1991, em função de seus mais de 500 sítios de pinturas rupestres, e abrigo de espécies ameaçadas como jaguatirica e tamanduá-bandeira. Mesmo diante das dificuldades do homem sertanejo – quase 1 milhão de famílias vivem em situação de penúria, num quadro de grande concentração fundiária - o Nordeste seco é o semi-árido mais povoado do planeta. Desenvolvimento 1ª e 2ª aulas Peça que os alunos se dividam em pequenos grupos e pesquisem informações sobre configuração natural do bioma caatinga (distribuição das coberturas vegetais, aspectos climáticos, formas de relevo, bolsões de umidade, rede de drenagem) e processos de constituição dos espaços no Nordeste seco. É fundamental que recolham fotos e mapas sobre a região em questão. Solicite que organizem os dados e examinem o mapa a seguir, com a escala de devastação do bioma nos últimos anos. Com base no mapa, peça que identifiquem as áreas mais afetadas pela retirada das coberturas vegetais originais. Mapa - Distribuição do desmatamento da caatinga - 2008 Mapa - Distribuição do desmatamento da caatinga. Fonte: Ibama. Ministério do Meio Ambiente. Em verde, a cobertura vegetal original; em bege, o desmatamento ocorrido antes de 2002; e em marrom, os novos pontos de desmate (entre 2002 e 2008). 3ª e 4ª aulas O avanço da devastação da caatinga coloca os holofotes sobre as políticas de conservação na região. Proponha que os estudantes recolham dados sobre as unidades de conservação – entre elas, o Parque Nacional da Serra da Capivara e da Chapada do Araripe e o Raso da Catarina – identificando espécies e ambientes protegidos. Do mesmo modo, o potencial da vegetação em termos de fármacos e produção de medicamentos e o desenvolvimento de novas tecnologias para atenuar os rigores do clima, como os sistemas de cisternas em comunidades rurais para armazenamento de água. Um histórico do combate às secas na região – que muitas vezes beneficiou somente as elites agrárias – é fundamental para contextualizar o quadro político e econômico-social regional. Os dados recolhidos devem compor relatórios de pesquisa sobre o bioma. Oriente a turma para incluir informações sobre a situação atual e as perspectivas futuras a caatinga e o homem sertanejo. Os trabalhos serão utilizados nas últimas aulas desta série, em que será feito um balanço dos desafios para a conservação dos biomas brasileiros. Avaliação Avalie a participação de cada estudante nos momentos individuais e coletivos. Verifique também o domínio de conceitos, processos e habilidades em jogo sobre a caatinga. Examine organização dos relatórios. Se necessário, crie uma ficha de registros de atividades para facilitar a avaliação. Reserve tempo para a turma avaliar a experiência. Biomas brasileiros: Parte 6 - No Pantanal, nos campos e no litoral Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Paisagens brasileiras Objetivos Identificar e compreender a distribuição e configuração dos biomas. Relacionar coberturas vegetais, fauna, clima, relevo, solos e recursos hídricos nas interações específicas de cada bioma. Correlacionar distribuição e biodiversidade dos biomas. Identificar e avaliar processos de ocupação e perda de coberturas vegetais originais nos biomas. Reconhecer e avaliar unidades e políticas de conservação e usos sustentáveis dos biomas, assim como programas para contenção de sua devastação. Desenvolver pesquisa, coleta, seleção e organização de dados, textos e imagens. Ler e interpretar mapas em diferentes escalas. Conteúdos Biomas Pantanal, Campos, Mata de Araucárias, Ecossistemas costeiros: caracterização, distribuição, configuração natural, usos, riscos e ameaças; Biodiversidade; Bacias hidrográficas e recursos hídricos; Unidades de conservação. Anos 6º ao 9º ano Tempo estimado Quatro aulas Introdução Esta sequência didática é a sexta proposta de série de oito sobre os biomas brasileiros para alunos do Ensino Fundamental II. A primeira delas teve como objetivo fazer com os alunos um mapeamento dos biomas brasileiros, acompanhado de discussões sobre as classificações das unidades naturais presentes no território brasileiro. A segunda trouxe o detalhamento do bioma Amazônia, a terceira destacou as Matas Atlânticas brasileiras. A quarta sequência abordou a situação atual dos Cerrados e a quinta, por sua vez, teve a Caatinga como destaque. (Confira as demais sequências da série ao lado). Esta sequência complementa a apresentação de biomas e ecossistemas brasileiros iniciada nas aulas anteriores. Nela são colocados em destaque ecossistemas, coberturas e formas de vida que, se não têm a mesma extensão de grandes biomas como a Amazônia e as Matas Atlânticas, possuem especificidades que aumentam ainda mais a rica diversidade natural brasileira. Aproveite esta sequência para discutir com a moçada o Pantanal, os Pampas, as Matas de Araucária e os Ecossistemas costeiros. Texto de apoio ao professor - No Pantanal, nos campos e no litoral... Chamado de Paraíso das Águas, o Pantanal matogrossense conforma a maior planície de inundação contínua do mundo, numa área de transição entre a floresta amazônica, o Planalto Central brasileiro e o Chaco boliviano. Com diversos ecossistemas aquáticos, semi-aquáticos e terrestres e vegetação predominantemente aberta, o que mais chama a atenção na região é seu regime de cheias, de novembro a fevereiro, em que as águas de mais de 4 mil km de rios da região transbordam e alagam a planície. No período da estiagem, com menos água, que chega de bacias adjacentes lentamente, os rios retornam ao seu leito, formando-se milhares de lagoas (chamadas de "baías”) nas margens. Ali, a vida fervilha com o intenso movimento de pássaros, peixes, répteis e mamíferos. O Pantanal é também o paraíso das aves, com cerca de 650 espécies diferentes. Aves aquáticas e espécies migratórias pousam na região em busca de abrigo, alimentação e locais para a sua reprodução. Ipês de cores variadas, buritis, onças, capivaras, cobras e jacarés e o desengonçado tuiuiú compõem as paisagens. A região é um pólo de pecuária, pesca e turismo, com o gradativo avanço da agricultura moderna. Ameaçam este ecossistema o uso de biocidas agrícolas, a substituição de pastagens originais por espécies exóticas e a retirada de matas ciliares. A criação de animais ao natural, de forma controlada, seria uma alternativa mais sustentável, assim como o ecoturismo controlado. As Matas de Araucárias são um tipo de floresta ombrófila (em que não falta umidade) mista sobre planaltos e serras do Sul e Sudeste, atingindo, em sua origem, o nordeste da Argentina. Apesar de pouco afetada pela tropicalidade, ocorre em áreas de pluviosidade em torno de 1000 mm. As temperaturas são de moderadas a baixas no inverno. De acordo com dados recolhidos para o Almanaque Brasil Socioambiental, a situação ali é crítica: restam apenas 5% da cobertura original e, desses remanescentes, apenas 0,7% são de áreas primitivas. A intensa exploração madeireira nos últimos 150 anos está entre as responsáveis pela devastação das paisagens recobertas pelo pinheiro-do-paraná, a Araucária angustifólia, espécie arbórea de grande porte e folhas pontiagudas. Os Pampas ou Campos sulinos são conjuntos naturais formados por extensas planícies e colinas suaves recobertas por gramíneas, varridas pelos ventos do sul e associadas aos banhados e lagunas próximas à faixa costeira ou pontuadas por araucárias e matas subtropicais nos interiores. Dada a sua configuração, constituem excepcionais pastagens naturais, mas o desaparecimento das coberturas e a exploração nas áreas de arenitos têm feito avançar os campos de dunas e areais, em especial no sudoeste gaúcho. Os ecossistemas costeiros são compostos, no território nacional, por áreas estuarino-lagunares, formadas por corpos d´água semiabertos que deságuam no oceano. Há, também, manguezais, com vegetação adaptada ao clima tropical e aos extremos de maré diários. Essas áreas são caracterizadas por solos lodosos e constantemente alagados, que servem de base a cadeias alimentares costeiras, sendo utilizados por inúmeras espécies como área de alimentação e procriação. Os ecossistemas costeiros contam, ainda, com praias, dunas, restingas e costões rochosos. Dada a expansão de indústrias, cidades, concentração populacional, portos, estradas e do turismo sobre essas áreas, a sua gestão torna-se uma operação complexa e conflituosa. Elas são particularmente afetas pela expansão de empreendimentos imobiliários, já que as zonas costeiras estão entre as mais habitadas do planeta. (Para saber mais, acesse as reportagens “Pantanal no ar”, “Litoral em perigo” e “Destruição de manguezais”, disponíveis no site do Planeta Sustentável ). Desenvolvimento 1ª e 2ª aulas Peça à turma que examine os mapas a seguir e identifiquem a distribuição dos biomas e ecossistemas no território nacional. Note que ecossistemas como os costeiros precisam ser observados em escalas cartográficas maiores, dada a sua extensão e distribuição ou sua associação com outros biomas. Se necessário, sugira observações de representações em escala regional. A observação pode ser complementada com exames de fotos e figuras (veja indicações ao final). Mapa – Brasil – coberturas vegetais originais Fonte: THÉRY, H.; MELLO, N. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: Edusp, 2005, p. 61. Em seguida, proponha que os estudantes se dividam em quatro grupos e escolham um dos biomas e ecossistemas abaixo para fazer uma pesquisa: - Pantanal, que recobre 150 mil km2 do território nacional, nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além de frações do Paraguai e Argentina; - Pampas, pampas gaúchos ou campos sulinos, com 176 mil km2 no Brasil, no estado do Rio Grande do Sul e faixas em territórios vizinhos (em especial Uruguai e Argentina), sob forte ameaça dos areais; - Matas de Araucárias, que na origem se distribuía por 185 mil km2 em planaltos e serras do Sul e Sudeste do país, dos quais restaram apenas 5%. - Ecossistemas costeiros, complexo mosaico de ambientes como estuários, manguezais, praias, dunas, restingas e costões rochosos. Distribuídos ao longo do extenso litoral (cerca de 8 mil km), sua vulnerabilidade chama especial atenção porque é na faixa costeira do país que estão as maiores densidades demográficas e de urbanização e a maior concentração de atividades econômicas e das redes viárias do país. Explique à turma que eles devem aprofundar os conhecimentos sobre as características, uso e situação atual dos biomas ou ecossistemas escolhidos. Proponha que levantem dados e informações sobre natureza e aspectos histórico-culturais, assim como os processos de ocupação. É importante que identifiquem riscos e ameaças a esses ambientes, tanto para o meio físico – cursos d’água, vertentes – como o universo orgânico – plantas, animais, solos – e selecionem mapas, fotos, figuras e outras iconografias. Assinale a importância de identificar também projetos de preservação e unidades de conservação existentes nas áreas em questão. Estimule a garotada a pesquisar e saber mais sobre as unidades localizadas no município ou região. 3ª aula Reserve a terceira aula para que os alunos organizem os dados, textos e imagens coletados. Proponha que elaborem paineis ou power points – se houver equipamentos disponíveis na escola – sobre os biomas e ecossistemas escolhidos. Auxilie os estudantes na preparação das exposições para a classe e outras turmas da escola. Passe pelos grupos e complemente as pesquisa com as informações contidas no texto de apoio ao professor. Explique à turma que, para ajudar na exposição dos trabalhos, eles devem preparar roteiros com as informações principais, e podem pegar algum tempo da aula para ensaiar. 4ª aula Organize a classe para as apresentações. Estipule as regras e o tempo que cada grupo terá para falar e responder às perguntas dos colegas. Feitas as apresentações, discuta os resultados com a turma. Como esta é a última aula em que serão explicados os biomas, aproveite para retomar com a classe os estudos anteriores. Peça que recordem oralmente as principais características dos seguintes biomas: Amazônia; Mata Atlântica; Cerrado; e Caatinga. Os alunos podem consultar as anotações das aulas anteriores para ajudar no levantamento. Anote no quadro as principais informações e peça que os estudantes registrem essa síntese nos cadernos. Para terminar, explique que, nas próximas aulas, serão debatidos os desafios da conservação dos biomas brasileiros. Avaliação Considere a participação de cada aluno nas tarefas individuais e coletivas e o domínio dos conceitos, noções e processos em jogo. Observe também a correção nos dados e informações sobre os ambientes estudados. Valorize as correlações feitas pelos grupos entre processos mais gerais de ocupação, devastação ou preservação e o que vem ocorrendo no município ou região. Examine a organização dos textos e materiais de apoio às apresentações. Reserve tempo para que a turma avalie a experiência. Biomas brasileiros: Parte 7 - Desafios da conservação I Objetivos Reconhecer e avaliar concepções e visões de desenvolvimento sustentável. Identificar medidas e iniciativas de tratados e convenções internacionais sobre proteção de florestas e da biodiversidade. Compreender a importância da preservação das florestas para a manutenção da biodiversidade e de serviços ambientais correspondentes. Avaliar projetos e políticas públicas em relação ao uso e ocupação e florestas no Brasil. Avaliar iniciativas de uso sustentável de florestas no Brasil. Conteúdos Desenvolvimento sustentável; Biomas brasileiros; Biodiversidade; Preservação e Conservação; Convenções, acordos e tratados internacionais sobre florestas e biodiversidade; Políticas públicas de meio ambiente no Brasil; Usos sustentáveis dos recursos florestais no Brasil. Anos 6º ao 9º ano Tempo estimado Quatro aulas Introdução Esta é a sétima sequencia didática de uma série de oito planos sobre os biomas brasileiros. Os planos anteriores buscaram destacar os principais pontos relativos à configuração natural, usos e organização dos espaços, degradação e desmatamento e iniciativas sustentáveis na Amazônia, Mata Atlântica, Cerrados, Caatinga, Pantanal, ecossistemas costeiros e outros. Em função das preocupações com os índices de desmatamento, destruição de ecossistemas e riscos às espécies de flora e fauna em todo o mundo, a ONU declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade. No segundo semestre deste ano, tal como ocorreu em 2009 com a questão das mudanças climáticas, representantes dos países irão se reunir para debater o alcance ou não de metas de redução do desmatamento – uma empreitada em que as que as tensões e divergências já se anunciam. Movimentos sociais e entidades vêm lutando para criar metas mais ambiciosas nos países, tendo o desmatamento zero como horizonte. Nesta sequência didática, a ideia é que os estudantes examinem alguns princípios e concepções fundamentais relativos ao desenvolvimento sustentável. A turma vai estudar tratados e convenções internacionais, além de políticas públicas e iniciativas sustentáveis relativas aos biomas brasileiros. Na próxima sequência, que encerra a série, vamos ver, em detalhes, o Sistema Nacional de Unidades de Conservação no Brasil e as iniciativas em curso em outros países. Textos para os alunos Texto 1 - O Desenvolvimento Sustentável O desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades. Ele contém dois conceitos-chave: (1) o conceito de “necessidades”, sobretudo as necessidades essenciais dos pobres no mundo, que devem receber a máxima prioridade; (2) a noção das limitações que o estágio da tecnologia e da organização social impõem ao meio ambiente, impedindo-o de atender às necessidades presentes e futuras. (...) No contexto específico das crises de desenvolvimento e do meio ambiente surgidas nos anos 1980 – que as atuais instituições políticas e econômicas nacionais e internacionais ainda não conseguiram e talvez não consigam superar –, a busca do desenvolvimento sustentável requer: - sistema político que assegure a efetiva participação dos cidadãos no processo decisório; - sistema econômico capaz de gerar excedentes e know how técnico em bases confiáveis e constantes; - sistema social que possa resolver as tensões causadas por um desenvolvimento não equilibrado; - sistema de produção que respeite a obrigação de preservar a base ecológica do desenvolvimento; - sistema tecnológico que busque constantemente novas soluções; - sistema internacional que estimule padrões sustentáveis de comércio e financiamento; - sistema administrativo flexível e capaz de autocorrigir-se. (Relatório Nosso Futuro Comum, ONU, 1987.___In: Giansanti, R. 1999) Texto 2 - Desenvolvimento sustentável: que bicho é esse? A expressão “desenvolvimento sustentável” parece até ter virado moda de tanto que está sendo usada, como se pudesse ser a salvação de todos os males. Está presente em todos os lugares: nos discursos políticos, nos programas de governo, nos projetos sociais de empresas e até na fachada de escolas. Por isso mesmo é que temos de tentar entender melhor o seu significado, para que não pareça ou resulte em expressão vazia. (...) O Relatório Brundtland expressou, pela primeira vez num organismo internacional, em 1987, o desejo de que o desenvolvimento seja sustentável. Isto é, manifesta a ambição de que o crescimento econômico – por enquanto o principal motor do desenvolvimento – possa respeitar os limites da natureza, em vez de destruir seus ecossistemas. (...) Ora, se já faz tantos anos que se fala em desenvolvimento sustentável, torna-se inevitável perguntar, mais uma vez, por que os grandes desafios ambientais não estão sendo enfrentados. (...) Estudiosos esboçaram um “caminho do meio”. Eles distinguem claramente o crescimento econômico do desenvolvimento. Para eles, o desenvolvimento depende de como os recursos gerados para o crescimento econômico são utilizados: para fabricar armas ou para produzir alimentos, para construir palácios ou para fornecer água potável. Dependendo de para onde forem os recursos, os frutos do crescimento preservarão os privilégios das elites ou beneficiarão o conjunto da população. (José Eli da Veiga e Lia Zatz. Desenvolvimento sustentável: que bicho é esse? Campinas, SP: Autores Associados, 2008, p. 35, 39, 54. Com adaptações). Texto 3 - Convenção sobre a Diversidade Biológica da ONU A Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) é um dos principais resultados da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD - Rio 92), realizada no Rio de Janeiro, em junho de 1992. É um dos mais importantes instrumentos internacionais relacionados ao meio ambiente e funciona como um guarda-chuva legal e político para diversas convenções e acordos ambientais mais específicos. A CDB é o principal fórum mundial na definição do marco legal e político para temas e questões relacionados à biodiversidade (168 países a assinaram e 188 países já a ratificaram, tendo estes últimos se tornado Parte da Convenção). A CDB tem definido importantes marcos legais e políticos mundiais que orientam a gestão da biodiversidade em todo o mundo: o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança, que estabelece as regras para a movimentação transfronteiriça de organismos geneticamente modificados (OGMs) vivos; o Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura, que estabelece, no âmbito da FAO - órgão da ONU para Agricultura e Alimentação - as regras para o acesso aos recursos genéticos vegetais e para a repartição de benefícios; as Diretrizes de Bonn, que orientam o estabelecimento das legislações nacionais para regular o acesso aos recursos genéticos e a repartição dos benefícios resultantes da utilização desses recursos (combate à biopirataria); as Diretrizes para o Turismo Sustentável e a Biodiversidade; os Princípios de Addis Abeba para a Utilização Sustentável da Biodiversidade; as Diretrizes para a Prevenção, Controle e Erradicação das Espécies Exóticas Invasoras; e os Princípios e Diretrizes da Abordagem Ecossistêmica para a Gestão da Biodiversidade. Igualmente no âmbito da CDB, foi iniciada a negociação de um Regime Internacional sobre Acesso aos Recursos Genéticos e Repartição dos Benefícios resultantes desse acesso. A CDB estabeleceu importantes programas de trabalho temáticos nas áreas de biodiversidade marinha e costeira, biodiversidade das águas continentais, biodiversidade florestal, biodiversidade das terras áridas e sub-úmidas, biodiversidade das montanhas e biodiversidade dos sistemas agrícolas (agrobiodiversidade). Adicionalmente, a CDB criou iniciativas transversais e programas de trabalho sobre áreas protegidas, conservação de plantas, conservação e uso sustentável dos polinizadores, transferência de tecnologias, medidas de incentivo econômico, proteção dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas e comunidades locais associados à biodiversidade, educação e sensibilização pública, entre outras. Desenvolvimento 1ª e 2ª aulas Peça que os alunos retomem os relatórios feitos nas aulas anteriores e faça uma síntese com eles dos principais pontos debatidos, destacando os desafios postos para a conservação dos biomas brasileiros. Em seguida, acrescente dados relativos ao tema. Assinale que, no caso da Amazônia, vem ocorrendo queda nos índices de desmatamento. Em 2003, o índice atingiu a marca de 25 mil quilômetros quadrados, em 2007 caiu para 11 mil e, no período de 2008 para 2009, houve nova queda para 4,3 mil, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Comente que os números melhoraram, mas ainda são bastante elevados e os resultados são distintos em cada região. Os índices caíram em Rondônia, Acre, Amazonas e Pará, mas cresceram no Mato Grosso e em Roraima. No caso da Mata Atlântica, dados divulgados em maio de 2010, em relatório parcial produzido pelo Inpe e a Fundação SOS Mata Atlântica, revelam que a devastação no bioma foi de 21 mil hectares entre 2008 e 2010, 21% menor que no período de 2005 a 2008. Alerte a turma de que os resultados ainda estão distantes da meta de desmatamento zero. (leia a matéria Mata Atlântica ainda sofre com desmatamento, publicada no Planeta Sustentável ). Feita a introdução, converse com a garotada sobre o que sabem a respeito das noções e princípios do desenvolvimento sustentável. O que significa esse conceito? Que práticas e medidas prevê? Como essas ideias podem sustentar a melhoria das condições de uso e ocupação dos biomas? Peça que os alunos leiam os três textos apresentados no início deste plano e discuta-os em sala. Apresente algumas ideias-chave, como a concepção de desenvolvimento sustentável inscrita no Relatório Nosso Futuro Comum; o desafio de conciliar desenvolvimento e preservação dos recursos naturais; e as informações contidas na Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB), da Organização das Nações Unidas (ONU) – principal instrumento internacional para a proteção da biodiversidade. Chame a atenção da classe para o fato de que a convenção, cujos princípios e referências estarão na ordem do dia em breve, se baseia em três objetivos principais: a) a conservação da biodiversidade (criando-se novas áreas protegidas); b) o uso sustentável da biodiversidade c) a proteção dos conhecimentos tradicionais a ela associados (que implica valorizar e defender a manutenção de modos de vida, cultura e valores de populações tradicionais que habitam os biomas). Destaque, também, que a CDB deve operar em estreita relação com outras convenções e declarações que emanaram de encontros como a Rio-92, as conferências Mudanças Climáticas, de combate ao tráfico de flora e fauna silvestres, a Declaração de Povos Indígenas etc. Para finalizar a discussão, mostre à turma o mapa interativo criado pela Conservação Internacional com os principais hotspots (do inglês “pontos quentes”) de biodiversidade no planeta. Peça que os alunos obsevem as informações contidas no mapa e explique que são áreas com elevada presença de espécies de plantas e animais endêmicas que estão sob ameaça, sendo prioridade para conservação. Termine a aula pedindo que os alunos preparem um quadro-síntese com essas ideias e conceitos estudados. Eles serão importantes para examinar situações e desafios nas aulas seguintes. 3ª e 4ª aulas Retome com a turma as definições de desenvolvimento sustentável e as características da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). Em seguida, chame a atenção da turma para os debates atuais em torno da revisão do Código Florestal (CF) brasileiro (Lei Federal nº 4771/1965), em discussão no Congresso Nacional. Explique à classe o que é esse código e como ele está estruturado (use como base o texto abaixo). Texto de apoio ao professor - Código Florestal brasileiro O Código Florestal brasileiro foi instituído em 1934, no governo Vargas, com o objetivo de manter florestas em áreas de novos assentamentos rurais. Em 1965, uma nova lei o alterou para a versão que prevalece até hoje. Ainda que com uma visão utilitarista das florestas e biomas, a alteração de 65 trouxe avanços na proteção de solos e de mananciais, respeitando-se também o interesse comum de toda a população nacional. A partir de então foram criados dois mecanismos de proteção: 1 - As Áreas de Proteção Permanentes (APP), que visam à proteção dos recursos hídricos e impedem qualquer utilização das matas ao longo de cursos de rios, mananciais, declives íngremes, topos de morros e outras áreas – garantindo que a cobertura vegetal original seja mantida ou recomposta. 2 - O estatuto da Reserva Legal (RL), que determina a proporção que cada imóvel rural deve manter sem remover a vegetação. Na Amazônia, a RL é de 80% nas áreas em que não há zoneamento ecológico-econômico (ZEE), de 50% nas áreas em que há zoneamento e 35% nas manchas de cerrado na região. Fora da Amazônia, a proporção de RL é de 20%. O Código Florestal protege, no mínimo, 30 metros de matas em margens de rios, morros ou encostas. Quem não observa a RL está sujeito a multas e embargos na produção. Essas restrições, no entanto, estão ameaçadas por um projeto em marcha no Congresso Nacional. Sob a alegação de que a maior parte dos produtores rurais estariam em desconformidade com a lei, congressistas propõem flexibilizar as medidas restritivas. Eles defendem, também, o repasse temerário de atribuições aos estados e municípios, como fiscalizar a RL e redefinir suas porcentagens e/ou permitir que declarem certos empreendimentos como de utilidade pública, facilitando o desmatamento. Críticos da revisão do código – considerada por muitos um retrocesso nas leis ambientais do país – apontam que há estoque de terras disponíveis e suficientes (como é o caso de antigas pastagens) para manter os atuais níveis de produtividade sem retirar uma árvore sequer. A menor restrição à retirada de coberturas em áreas frágeis como encostas e topos de morros pode trazer consequências graves, como se observa nos períodos de chuvas fortes de verão. Idem com a retirada de matas-galeria, que permitem a continuidade da produção de água nos rios, córregos e lagos. Divida os estudantes em pequenos grupos e sugira que busquem novas informações sobre a revisão do CF, organizando-as em um quadro com os seguintes itens: APP, Reserva Legal, papel de estados e municípios, terras agrícolas x áreas de proteção. Explique que o objetivo da atividade é mostrar como o código atual trata cada item e o que pode mudar caso a nova revisão seja aprovada pelo Congresso. Lembre-os de utilizar as recomendações e diretrizes da Convenção sobre a Diversidade Biológica, estudadas na aula anterior, como parâmetro para a análise. Proponha também que façam consultas e levantamentos sobre boas práticas e iniciativas sustentáveis que utilizam os biomas, com a floresta em pé, ou que não comprometem os recursos naturais de forma geral. Há vários programas e projetos que merecem atenção. Um deles é o Fundo Amazônia Sustentável (que inclui programa de bolsas-auxílio). Há também iniciativas ligadas ao programa Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, que propõe a geração de emprego e renda em torno da economia sustentável, levada adiante por centenas de cooperativas em diversos estados (veja ao final deste plano o link para produtos do Mercado Mata Atlântica: alimentos processados, artesanato, mudas e sementes, brinquedos, móveis, cosméticos e fitoterápicos etc). Além de produtos, os programas da Reserva da Biosfera, reconhecidos pela Unesco, preveem a formação de monitores ambientais para atuar em parques e reservas, como já acontece no Parque Estadual da Serra do Mar e no Parque Municipal Nascentes de Paranapiacaba, em Santo André (SP). Proponha que os estudantes organizem painéis ou cartazes comparando os usos predatórios com os usos sustentáveis em diferentes biomas brasileiros. Estimule a pesquisa de outras iniciativas de âmbito local e regional e a coleta e seleção de textos, imagens, mapas e outras iconografias para compor os trabalhos. Para finalizar a sequência, promova a discussão dos resultados e encomende uma dissertação individual do tema sustentabilidade nos biomas brasileiros, que inclua a apresentação de propostas e medidas práticas que colaborem para a conservação dos ambientes. Avaliação Leve em conta a participação de cada estudante nos momentos individuais e coletivos. Considere também o domínio de noções e conceitos fundamentais e a organização e clareza dos textos escritos e orais. Reserve um tempo para que todos possam avaliar a experiência. Biomas brasileiros: Parte 8 - Desafios da conservação II Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Paisagens brasileiras Objetivos Reconhecer as Unidades de Conservação no Brasil, bem como os limites e possibilidades de sua proteção socioambiental. Identificar Unidades de Proteção Integral e de Uso Sustentável. Conhecer normas e critérios para a criação e manutenção de Áreas de Proteção Ambiental. Avaliar iniciativas de uso sustentável de florestas e demais biomas no Brasil. Ler e interpretar mapas para conhecer fatos e fenômenos geográficos em diferentes escalas. Ler e produzir textos em diferentes gêneros. Conteúdos Biomas brasileiros; Biodiversidade; Preservação e Conservação; Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC); Legislação ambiental; Desenvolvimento Sustentável; Áreas de proteção integral e áreas de uso sustentável. Anos 6º ao 9º ano Tempo estimado Quatro aulas Introdução Esta proposta encerra uma série de oito sequencias didáticas sobre os biomas brasileiros, sua configuração e características naturais, seu papel na composição da biodiversidade nacional e os desafios colocados para a preservação e conservação. A primeira sequência trouxe um panorama geral sobre o tema. Em seguida, foram destacados os aspectos naturais e socioambientais da Amazônia, Matas Atlânticas, Cerrado, Caaatinga, Pantanal, Campos, Matas de Araucárias e zonas litorâneas. Na sétima proposta, os estudantes tiveram a oportunidade de examinar concepções de desenvolvimento sustentável que devem ser incorporadas às políticas públicas e aos empreendimentos econômicos. Puderam, também, analisar tratados, convenções internacionais e a legislação ambiental brasileira, com destaque para as virtuais mudanças no Código Florestal nacional. A contenção das queimadas, os desmatamentos e o comprometimento da biodiversidade e do meio físico, tanto em áreas de elevada densidade de ocupação como nas vastas porções conservadas dos biomas, foram temas de discussão nas aulas, mostrando que ainda é grande o desafio colocado para a sociedade brasileira em relação à preservação ambiental. Finalizando a série, esta sequencia didática analisa a constituição, desafios e impasses colocados para as unidades de conservação e respectivas áreas protegidas, examinando também a viabilidade de iniciativas socioambientais sustentáveis e seu papel na conservação da biodiversidade e do equilíbrio de biomas e ecossistemas. Texto 1 - Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC (Lei Federal nº 9985/2000) Até o ano 2000, o Brasil não tinha uma lei única que regulamentasse a criação e a gestão das Unidades de Conservação (UCs), o que trazia muita confusão e impossibilitava a gestão integrada das áreas protegidas que efetivamente conservasse a biodiversidade brasileira. A Lei do SNUC estabeleceu regras comuns para todas as UCs e possibilitou a criação de um sistema nacional que articulasse todas essas áreas protegidas em prol de objetivos e estratégias de conservação compartilhados. Segundo a lei, a criação de qualquer UC deve ser precedida de estudos científicos que identifiquem quais recursos naturais devem ser protegidos e de consulta à população que vive no local – com exceção das Estações Ecológicas e Reservas Biológicas. Além disso, toda UC deve dispor de um plano de manejo. Como forma de democratizar a gestão das UCs, a lei prevê a existência dos conselhos de gestão, colegiados compostos por representantes de diversos órgãos públicos e de diferentes setores da sociedade civil. Eles devem se reunir periodicamente para discutir assuntos relevantes para a boa administração da área. É possível também estabelecer a gestão compartilhada entre o poder público e uma organização da sociedade civil de interesse público (Oscip), o que permite à sociedade organizada atuar diretamente na proteção dessas áreas, seja realizando pesquisas, apoiando a fiscalização ou dotando a UC de infraestrutura. As UCs contribuem para a preservação de espécies endêmicas, ajudam a regular o clima, abastecer os mananciais de água e melhorar a qualidade de vida das pessoas, além de, muitas vezes, abrigarem populações tradicionais cujo sustento depende de seus recursos naturais. O SNUC tem também como objetivos proteger espécies ameaçadas de extinção, proteger e recuperar recursos hídricos, recuperar ecossistemas degradados e proporcionar meios para realizar pesquisas científicas. As Terras Indígenas, além das UCs, também são consideradas áreas protegidas, pois guardam porções importantíssimas e representativas da diversidade socioambiental nacional. (Instituto Socioambiental. Almanaque Brasil Socioambiental. São Paulo: ISA, 2004, p. 214, 395). Texto 2 Unidades de Proteção Integral e de Uso Sustentável "O objetivo básico das Unidades de Proteção Integral é preservar a natureza, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais, com exceção dos casos previstos nesta Lei." (SNUC) As unidades de proteção integral se destacam pela preservação da natureza, com o mínimo de interferência humana nos ecossistemas. As Estações Ecológicas e Reservas Biológicas permitem a realização de pesquisas científicas e de ações de Educação Ambiental. Nos Parques Nacionais, Monumentos Naturais e Refúgios de Vida Silvestre, além dessas atividades, a visitação pública é permitida, sendo locais ideais para a prática de turismo e lazer, em harmonia com a natureza. "O objetivo básico das Unidades de Uso Sustentável é compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais." (SNUC) Unidades de Uso Sustentável, a proposta é compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável dos recursos. Fazem parte desse grupo as Áreas de Proteção Ambiental; Áreas de Relevante Interesse Ecológico; Florestas Nacionais, Estaduais e Municipais; Reservas de Fauna, Reservas de Desenvolvimento Sustentável e as Reservas Extrativistas, estas últimas, um modelo de unidade de conservação que surgiu no Brasil com base na vivência harmônica dos chamados povos da floresta e a Amazônia, e que hoje já dá às populações tradicionais de todo o país a garantia da manutenção de suas práticas extrativistas em áreas protegidas. (Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade-ICMbio) Desenvolvimento 1ª e 2ª aulas Converse com a turma sobre o que sabem a respeito das Unidades de Conservação existentes no país. Em seguida, apresente aos estudantes as categorias dessas unidades, segundo a lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC, e quais restrições ou potencialidades de uso elas oferecem (utilize como base o texto 1). Destaque as diferenças entre áreas de proteção integral e aquelas de uso sustentável. Como exemplo, eles podem discutir os usos de unidades existentes na localidade ou região em que vivem. Proponha que observem o mapa abaixo. Ele mostra as extensões de áreas protegidas no país, incluindo as terras indígenas. Peça que identifiquem os biomas com maiores extensões de Unidades de Conservação e aqueles que ainda precisam avançar em relação às áreas protegidas. Mapa – Zonas protegidas e antropizadas no Brasil, 2008 Fonte: DURAND, Marie-Françoise et al. Atlas da mundialização: compreender o espaço mundial contemporâneo. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 128 Após a leitura do mapa, sugira que reflitam sobre os principais riscos e ameaças à proteção dos ambientes e às formas de vida nas UCs. Se necessário, proponha que pesquisem em jornais, sites e revistas sobre episódios de desmate ilegal, caça predatória ou grilagem de terras nessas áreas (veja indicações ao final deste plano de aula. Leia a reportagem Madeira abaixo, no portal Planeta Sustentável , que denuncia agressões na floresta amazônica). Peça que todos organizem os dados e discussões em um relatório. 3ª e 4ª aulas Proponha que os estudantes, em pequenos grupos, façam levantamentos sobre as UCs existentes na localidade ou região em que vivem. Eles devem identificar quais os objetivos e quem são os responsáveis pela gestão da área. Do mesmo modo, peça que assinalem os riscos que ameaçam o cumprimento das funções das UCs em questão. Dê alguns exemplos: há no Brasil diversos casos de invasão de UCs e terras indígenas para retirada ilegal de madeira, caça e pesca predatória e grilagem de terras. No Parque Estadual da Serra do Mar, em São Paulo, por exemplo, é comum a extração clandestina de palmito. Além desses pontos, informe à garotada que, muitas vezes, há sobreposição entre os limites de UCs, terras indígenas e propriedades privadas, o que gera evidentes dificuldades de fiscalização e gestão. Há também muitos parques e reservas “de papel”, com quadros técnicos e de fiscalização insuficientes para conter ações predatórias ilegais. Discuta com a turma esse ponto: muitos pesquisadores, ambientalistas e técnicos de órgãos públicos defendem que a promoção de usos sustentáveis, com a floresta em pé, tem potencial para conter esses processos – em regra, transformar a área em santuário intocável pode deixá-la mais vulnerável à ação dos que operam à sombra da lei. O que a turma pensa a respeito? Em áreas urbanas também há dificuldades para conter a devastação, dada a força de determinados empreendimentos econômicos. Por outro lado, nessas regiões, há restrições previstas nas leis, como o Plano Diretor e as leis de zoneamento. Converse com a classe sobre casos exemplares de iniciativas sustentáveis e viáveis. Um exemplo conhecido é o dos seringueiros e castanheiros nas reservas extrativistas da Amazônia. Há também inúmeros exemplos de manejo florestal correto, certificação de madeira legalmente extraída e implementação de atividades de Educação Ambiental e ecoturismo em UCs, uma economia da sustentabilidade. Peça que os alunos coletem dados sobre essas iniciativas. Podem novamente recorrer ao que ocorre nas áreas protegidas da região em que vivem. Para ajudá-los, dê alguns exemplos, como as iniciativas de recuperação de florestas no entorno de reservatórios de hidrelétricas em São Paulo, o manejo florestal em Santa Catarina e o plantio de mudas de espécies nativas de matas tropicais em diferentes pontos do país. Para finalizar a sequência, proponha que os estudantes elaborem painéis com textos, mapas e figuras sobre as UCs e os desafios da preservação dos biomas e ecossistemas brasileiros. O resultado do trabalho será uma exposição na escola, aberta a membros da comunidade. Avaliação Considere a participação de cada aluno nos momentos individuais e coletivos. Considere o domínio progressivo das noções, conceitos e processos envolvendo os biomas brasileiros e ecossistemas associados, tanto em sua configuração natural como nos usos e práticas sociais correspondentes. Retome os estudos feitos ao longo das sequências didáticas sobre os biomas brasileiros e reserve tempos e espaços para que os alunos possam avaliar a experiência e o que puderam aprender nesse percurso. Leitura e interpretação de mapas Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Cartografia da paisagem Objetivos Compreender a cartografia como linguagem visual, universal e baseada em símbolos, códigos e convenções próprios. Ler, analisar e interpretar em diferentes escalas em um mapa. Elaborar um texto síntese sobre o papel da linguagem cartográfica como meio de expressar a espacialidade dos fenômenos e sua importância para a comunicação de informações . Conteúdos Linguagem cartográfica, leitura e interpretação de mapas Ano 7º ano Tempo estimado Três aulas Material necessário Jornais, revistas, livros didáticos, atlas geográfico e acesso à Biblioteca e ao Laboratório de Informática da escola. Desenvolvimento 1ª etapa Proponha que os estudantes façam uma análise das representações cartográficas apresentadas em jornais, revistas, portais da internet, livros escolares e outros veículos de comunicação. Para isso, divida a turma em pequenos grupos, entregue a eles algumas revistas e jornais e peça que pesquisem, coletem, selecionem e organizem os mapas encontrados, anotando tema, título, fonte, nome e data de publicação. Em seguida, promova uma conversa com a turma sobre o que sabem a respeito dos elementos centrais que devem estar presentes nos mapas e peça que analisem a adequação dos elementos da linguagem cartográfica apresentados em cada mapa selecionado. 2ª etapa Com base nos resultados, amplie as informações destacando que a cartografia é uma linguagem com símbolos, códigos e convenções. Por ser uma linguagem visual e universal, é desejável que um mapa possa ser lido e interpretado por qualquer pessoa, independente de onde esteja. Pergunte à turma quais são os elementos centrais que não podem faltar em um mapa. Eles devem pontuar: título, legenda, escala cartográfica, o Norte, toponímia, projeção, coordenadas geográficas e símbolos e referências gráficas. Explique que é indispensável que o mapa contenha as fontes anotadas de forma completa, incluindo as pesquisas das bases de dados. Ressalte também que as representações podem ser dispostas em pontos, linhas e áreas e organizadas para mostrar relações entre fenômenos como diversidade, ordem e proporcionalidade. Para possibilitar a leitura, o mapa deve conter a identificação clara do significado dos símbolos e cores adotados na representação. É importante também que não estejam muito carregados, com excesso de informações que comprometam a apreensão visual. O mais indicado, nesses casos, é que o tema seja apresentado em uma coleção de mapas. 3ª etapa Se necessário, faça um rápido exercício de verificação dos elementos estruturais de um mapa em atlas geográficos e livros escolares. Em seguida, proponha que cada grupo examine com atenção um dos mapas recolhidos na primeira aula. Peça que identifiquem e discutam situações em que os mapas devem ser completados – ou até mesmo corrigidos – e elaborem um quadro com essas observações, justificando-as a partir de premissas da linguagem cartográfica. Com base nos resultados, solicite que cada grupo apresente aos demais as correções que faria em cada mapa. 4ª etapa Promova uma roda de conversa para debater e estabelecer conclusões sobre o trabalho realizado. Peça que anotem as principais conclusões e proponha a elaboração de uma dissertação individual sobre o tema. Nela, cada estudante deverá discutir o papel da linguagem cartográfica como meio de expressar a espacialidade dos fenômenos e sua importância para a comunicação de informações e compreensão de temas por diferentes públicos. Para enriquecer os trabalhos, é recomendável a inserção de plantas, cartas e mapas e outras representações gráficas. Avaliação Considere a participação de cada estudante nas tarefas individuais e coletivas. Da mesma forma, verifique a correção conceitual, a clareza e organização dos textos, assim como da exposição dos resultados dos trabalhos. Na dissertação, leve em conta o modo como apresentaram e discutiram os processos e visões acerca do tema, bem como a correta apresentação e utilização das bases de dados, noções e conceitos cartográficos analisados. Reserve um tempo para que as turmas avaliem o trabalho realizado. Relações entre natureza e sociedade Bloco de Conteúdo Paisagem Conteúdo Paisagem e cultura Objetivo - Ler, interpretar e produzir textos escritos e orais para compreender e explicar a espacialidade dos fenômenos em diferentes escalas. Conteúdos - Leitura e produção de textos informativos. - Dinâmicas da sociedade e da natureza e suas inter-relações. Anos 7º e 8º. Tempo estimado Quatro aulas. Material necessário Jornais, revistas e computadores com acesso à internet, cartolina ou papel kraft, cola, régua, tesoura e papel sulfite. Desenvolvimento 1ª etapa Pergunte aos alunos como se dá a relação entre sociedade e natureza. As ações do homem geram impactos no meio ambiente? De que tipo? Anote as respostas no quadro. Observe se eles mencionam enchentes, desmatamentos e desmoronamentos, entre outros. Divida a turma em grupos e distribua jornais e revistas para todos. Proponha que leiam e selecionem reportagens, artigos e editoriais sobre problemas que envolvem as relações humanas com a natureza. O caso das cheias dos rios Pinheiros e Tietê, em São Paulo, é exemplar e pode ser explorado em diversos aspectos: as mudanças no curso e no regime de águas, a poluição industrial e residencial, o acúmulo de lixo, a construção de grandes avenidas em regiões de várzea (naturalmente alagadiças) e o assoreamento e impermeabilização do solo devido à urbanização da cidade. Após ler diversos textos, identificando onde, quando, como se dá o problema e quais são as pessoas e instituições envolvidas, cada grupo escolhe um campo de pesquisa. 2ª etapa Com base nos textos escolhidos, os grupos devem identificar e analisar os elementos naturais e sociais envolvidos, as intervenções humanas e seus efeitos para o equilíbrio do local. Leve a garotada até a biblioteca e o laboratório de informática para pesquisar mais sobre os temas escolhidos. Oriente a consulta a livros e atlas e a portais confiáveis e atualizados. Questione se os problemas listados ocorrem em outros lugares, regiões e países e se é possível analisar a extensão dos fenômenos em diferentes escalas. Nesse caso, peça comparações. 3ª etapa As reportagens e os dados servirão para a elaboração de cartazes informativos. Cada grupo deve coletar também imagens diversas (fotos, ilustrações, mapas e esquemas gráficos). Assim, textos e imagens, dispostos sobre cartolina ou papel kraft, podem receber título, legendas e explicações. Destaque a importância de indicar as fontes. Os cartazes serão usados em apresentações para a classe. 4ª etapa Para as exposições, é importante que cada grupo elabore um roteiro com introdução ao tema, motivações do grupo para a investigação, textos explicativos para cada aspecto do problema, a distribuição das falas dos integrantes e a ordem da apresentação. Ao longo das apresentações, peça explicações sobre a escolha das imagens e faça perguntas que levem à reflexão. Ao fim, reserve um tempo para o debate coletivo, destacando os principais resultados e conclusões. Sugira que os grupos encarreguem um colega de anotar os nomes e a ordem de quem vai falar. Cada um deve registrar as considerações para, depois, escrever um texto individual sobre as relações natureza-sociedade em diferentes escalas. Avaliação Considere a participação de cada estudante nas tarefas individuais e coletivas. Examine a clareza e a organização dos textos escritos e orais e o modo de exposição dos resultados nas apresentações. No texto individual, leve em conta a maneira como apresentam e discutem, bem como a correta apresentação e utilização das bases de dados, noções e conceitos. Qualidade de vida nas cidades: como aferir? Bloco de Conteúdo Geografia Conteúdo O Urbano Introdução "Rio, 40 graus / Cidade maravilha / Purgatório da beleza e do caos." Assim inicia a canção elaborada por Fernanda Abreu, cantora e compositora carioca. Mais adiante, a letra traz a seguinte passagem: "Capital do sangue quente / Do melhor e do pior / Do Brasil." O título da canção – Rio, 40 graus – é o mesmo do filme de Nelson Pereira dos Santos, que inovou na linguagem e na temática na época em que foi produzida, no ano 1955. A obra de Nelson, que influenciaria uma geração de cineastas do Cinema Novo, entre eles Glauber Rocha, conta a história de cinco garotos vendedores de amendoim em seu percurso pela cidade, apresentando situações no "morro" e no "asfalto". Por que a compositora afirma que o Rio de Janeiro traz o melhor e o pior do Brasil? Há muitas respostas, mas certamente podemos considerar entre elas que a Cidade Maravilhosa ficou conhecida, de um lado, por sua singular beleza: um ambiente de maciços cristalinos entremeados por inúmeras praias à entrada de uma baía, onde se ergueu a segunda metrópole brasileira; nos morros, barracos, casebres e casas de alvenaria terminadas nos finais de semana; no asfalto, edifícios cercando o mar. Mas assim como outras cidades brasileiras, o Rio de Janeiro vive um cotidiano em que se combinam, entre outros problemas, a falta de saneamento básico e moradias dignas para todos, precariedade dos transportes coletivos, congestionamentos, segregação espacial e um permanente clima de insegurança e violência em zonas da cidade – atingindo especialmente os mais pobres. Esse quadro indica um tema interessante e bastante relevante para um projeto coletivo de trabalho na escola: como medir e avaliar a qualidade ou condições de vida nas cidades brasileiras? Sob quais critérios? Existe um único entendimento do que seja qualidade de vida, extensivo a todos? O que se espera que uma cidade deva oferecer aos seus habitantes? A relevância do tema vincula-se também ao ritmo e estrutura da urbanização brasileira referida aqui ao aumento da população urbana e a expansão ou crescimento de cidades (o que não esgota as concepções de urbanização; esta pode ser entendida também como a expansão do modo de vida urbano para além dos limites da cidade). Segundo dados da PNAD 2007 (ano-base 2006), o país conta hoje com 83% de sua população vivendo em cidades, algo em torno de 140 milhões de habitantes. O Censo demográfico de 1940, realizado pelo IBGE, o primeiro a fazer a distinção entre população rural e urbana, registrou que apenas 1/3 da população nacional vivia em cidades no período. Portanto, a maior parte dos brasileiros passou a experimentar diariamente a "dor" e a "delícia" de viver na cidade. Entre outras perspectivas, a idéia de urbanidade oferece uma ferramenta para refletir sobre a vida nos núcleos urbanos. Antes de tudo, é preciso fazer algumas considerações sobre a cidade. Conforme o geógrafo francês Jacques Lévy, ela é um objeto essencialmente geográfico marcado pela conjunção de diversidade e densidade e concentração de pessoas e atividades. Ela foi criada em praticamente todas as sociedades humanas para superar ou eliminar as distâncias espaciais e permitir as interações sociais. Elas se constituíram, assim, no berço principal da filosofia, da política, das ciências e das artes. Trata-se de um ambiente de evidente artificialidade, uma obra humana por excelência. Assim, a urbanidade refere-se ao que a cidade deve ser e deve ter. Portanto, deve ser avaliada em relação ao que ela pode oferecer, tal como ela é, e não em relação ao que não é próprio dela. Uma cidade com bom potencial de urbanidade reúne um grande número de pessoas com diversidade de tipos, o que propicia relações sociais múltiplas e diversificadas (contrariando concepções do planejamento urbano moderno, que buscavam, ao contrário, a homogeneidade social). Além disso, a idéia de urbanidade assinala que uma cidade deve, antes de tudo, assegurar a todos os seus moradores o acesso aos recursos disponíveis. Isso começa pela existência de um bom sistema de mobilidade e existência de espaços públicos. Como ressalta o recente estudo do Fundo de População da ONU, "O estado da população urbana mundial em 2007", trata-se de resguardar o direito à cidade que todos têm, inclusive os recém-chegados. Essa proposta de projeto didático tem o objetivo de oferecer aos estudantes instrumentos e critérios para que possam avaliar as condições ou qualidade de vida nas cidades e propor soluções e alternativas. Nesse sentido, a cidade em que vivem será o laboratório principal para desenvolver um projeto dessa natureza. a) Utilizar recursos da leitura, escrita, observação e registro em diferentes linguagens em procedimentos de pesquisa. b) Construir e organizar critérios de avaliação da qualidade ou condições de vida em cidades utilizando quadros-síntese, textos ou esquemas gráficos. c) Compreender e avaliar processos de organização do espaço da cidade por meio de pesquisas, entrevistas e leitura e produção de textos e imagens. Conteúdos - Cidade - Urbanização - Urbanidade - Qualidade de vida Ano 8º e 9º Tempo estimado Variável Material necessário Textos e esquema em anexo Desenvolvimento das atividades 1ª etapa Para organizar um projeto de trabalho na escola, o ponto de partida é a escolha do tema. O tema pode proceder de um fato da atualidade, de uma experiência comum, de um episódio ocorrido na escola, pode pertencer ao currículo oficial ou surgir a partir de uma proposição inicial do professor. Em geral, para proceder a essa escolha, os alunos partem do que já sabem, de suas experiências anteriores, de outros projetos já realizados na escola. Alunos e professor deverão se interrogar a respeito de sua relevância, interesse e se efetivamente atende às necessidades de aprendizagem da turma. Dessa forma, é decisiva para a realização do projeto a participação dos estudantes na definição do tema, focos, metodologias e planejamento das etapas (ver quadro-síntese em anexo), mesmo que a idéia inicial tenha surgido de outras fontes.Proponha que os estudantes reflitam em torno da questão da cidade, de sua qualidade de vida e da extensão dos eventuais benefícios da vida urbana a todos os habitantes. Para uma sensibilização inicial, você pode propor que os estudantes coletem, selecionem e organizem letras de canções sobre a cidade criadas por artistas brasileiros. A turma pode promover uma audição das canções selecionadas e debater perspectivas e focos para o projeto a partir delas (ver sugestões em anexo). Esse trabalho pode ser feito também com notícias, frases sobre cidades e vida urbana ou textos de apoio. É essencial finalizar essa etapa com uma questão ou conjunto de questões e hipóteses que deverão nortear o projeto e serem respondidas por ele, além de permitir a elaboração de objetivos gerais e específicos. 2ª etapa Definido o tema geral, é preciso definir o que os estudantes já sabem e o que precisam saber para a consecução do projeto. Trata-se de uma avaliação diagnóstica inicial no âmbito do projeto, que dará a partida para criar seqüências e ordenar os conteúdos, definindo quais as principais fontes de informação a serem buscadas. Nesse momento, pode-se definir a abrangência do projeto e quais sub-temas, processos e conceitos ele vai envolver no seu percurso de realização, cabendo aqui ao professor um importante papel na definição dos principais conteúdos e procedimentos. O que pode ser verificado para avaliar a qualidade de vida da cidade? Considere em primeiro lugar que as cidades são espaços construídos sobre uma base natural em que podem aparecer morros, fundos de vale, cursos d’água, solos e coberturas vegetais. Uma cidade em que os solos estão impermeabilizados, por exemplo, está sujeita a enchentes, face à dificuldade de infiltração e ao aumento do escoamento superficial da água. Um segundo quesito diz respeito ao ambiente construído, envolvendo as edificações e seus usos, as atividades econômicas e as infra-estruturas (redes técnicas de água, energia, saneamento) e serviços urbanos (coleta de lixo, transportes, varrição e limpeza de ruas etc.). Especial atenção deve ser dada ao sistema viário, aferindo as condições e funcionamento do transporte coletivo, organização da malha viária, o peso da circulação de automóveis individuais, existência ou não de alternativas de deslocamento (ciclovias, passeios e caminhos para marcha pedestre etc.). Outro dado imprescindível é a existência de espaços públicos de acesso irrestrito, que pode ser utilizado pelos moradores. Neles, é importante verificar a disponibilidade de equipamentos (como brinquedos para crianças) e serviços. As cidades podem ser avaliadas em sua condição estética (por exemplo, se há poluição visual, preservação de fachadas e outros) e se os ambientes são aprazíveis, convidando ao convívio social. Do mesmo modo, pode-se verificar se há diversidade ou homogeneidade social. É importante atentar aqui para o zoneamento da cidade, que normalmente restringe alguns usos e pode provocar verdadeiros "desertos" urbanos (zonas comerciais com muito movimento durante o dia e desertas à noite, ou bolsões residenciais com pouco movimento durante o dia). Apresente esse conjunto de pontos aos estudantes e proponha que eles discutam e ampliem com outras sugestões. Eles poderão também criar indicadores, definindo uma escala de valoração das condições em que se encontram as edificações, infra-estruturas e equipamentos urbanos. 3ª etapa Uma vez organizados os campos para pesquisa e investigação, é importante definir responsabilidades individuais e coletivas para a coleta, seleção e tratamento das informações. É fundamental definir também de antemão o que deverá ser obtido por meio de pesquisas em livros, revistas especializadas, bancos de dados e documentos oficiais (tais como plantas e planos diretores do município) o que vai ser obtido em trabalhos de campo, com entrevistas, sondagens e visitas a órgãos públicos e outra instituições. Deve-se garantir tempos e espaços na sala de aula, biblioteca e laboratório de informática da escola para a organização e tratamento das informações. Vale a pena também detalhar quais serão as formas de registro utilizadas, como anotações (que podem ser feitas em planilhas ou quadros), gravação de voz ou filmagens. A organização desta etapa deve ser feita previamente, de modo a garantir os recursos técnicos e humanos necessários. 4ª e 5ª etapas Estas são as últimas etapas, momento de planejar os produtos finais, a apresentação dos resultados e a avaliação geral do projeto, enfocando um balanço, propostas e alternativas para a melhoria da qualidade de vida e dos níveis de urbanidade na cidade. Os produtos finais poderão ser preparados preliminarmente nas etapas anteriores. Por exemplo, recolhendo material áudio-visual para a elaboração de vídeos ou transparências, ou organizando informações em quadros, mapas, gráficos e tabelas que irão compor um documento escrito. Havendo possibilidade, os documentos áudio-visuais podem ser produzidos em programas especiais no laboratório de informática. Um relatório ou texto dissertativo do projeto deve contar com uma estrutura que contenha título, introdução, justificativa, objetivos, metodologias, resultados e conclusões e referências bibliográficas. Combine com os estudantes a forma de apresentação dos resultados, que podem envolver etapas com a própria turma e depois para grupos de turmas ou para toda a escola. Documentos, equipamentos, materiais, tempos e espaços para apresentações públicas devem ser organizados ou preparados previamente. Avaliação A avaliação final e auto-avaliação devem levar em conta os objetivos estabelecidos para o projeto e os processos e produtos com os quais os alunos estiveram envolvidos. Para tanto, podem ser organizadas sessões coletivas com toda a turma, retomando as etapas, os resultados e a participação e envolvimento dos estudantes. É importante que eles possam expressar livremente suas opiniões sobre o percurso percorrido. Para a avaliação de cada estudante, leve em conta as aprendizagens ocorridas ao longo do processo e toda a produção individual e coletiva no âmbito do projeto. Contam aqui os processos e os produtos e resultados. Se necessário, prepare avaliações individuais após o balanço final do trabalho desenvolvido. Ensine cartografia para a turma usando o Google Earth Objetivos - Desenvolver a noção espacial e a representação cartográfica. - Comparar diferentes tipos de representação da superfície terrestre: mapas, fotos de satélite e imagens aéreas e tridimensionais. Conteúdos - Cartografia. - Localização espacial. Anos 6º ao 9º. Tempo estimado Oito aulas. Material necessário Papel, régua, lápis, computador com acesso à internet e o programa Google Earth Desenvolvimento 1ª etapa Oriente os alunos a observar o trajeto desde a casa até a escola, identificando pontos para a localização. Peça que transformem a observação num croqui, cuidando para representar as referências. 2ª etapa Diante do computador, divida a turma em grupos e solicite que explorem este site. Explique que o desafio é encontrar, entre os mapas disponíveis, um que mostre a localização da escola. Oriente-os a comparar os croquis com os mapas: os pontos de referência são os mesmos? Como são identificados? Explique que os desenhos disponíveis são representações bidimensionais de espaços tridimensionais, com símbolos, legendas e escala específicos. 3ª etapa Hora de visualizar a localização em imagem real. Abra o programa Google Earth e convide a turma a buscar uma imagem da escola. Siga o seguinte procedimento: clique no botão "Mostrar a barra lateral" e em "Voar para". Digite "Brasil", espere a imagem "voar" até o país. Introduza o nome da cidade e oriente os estudantes a aproximar a imagem até o objetivo. Pergunte aos alunos o que estão vendo. É a mesma visão que temos ao caminhar pelas ruas? Leve-os a perceber que imagens aéreas e de satélite são a real visualização da superfície no plano vertical. 4ª etapa Peça que comparem a imagem do Google Earth com o croqui que haviam elaborado e observem o que querem acrescentar ou modificar. Avaliação Verifique se os alunos compreendem as diferentes formas de representação da superfície terrestre e se sabem se localizar em um mapa virtual. Para reforçar o entendimento, repita a sequência de atividades com outros pontos significativos, possibilitando que explorem os recursos de aproximação e distanciamento da visão no Google Earth para desenvolver a noção de pertencimento espacial desde o nível do bairro até o planeta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário